Há um factor de risco que pode agravar a covid-19 que foi herdado dos neandertais

Para chegar a esta conclusão, equipa de cientistas analisou genomas antigos de neandertais.

sarscov2,coronavirus,saude,ciencia,genetica,adn,
Foto
Reuters

Variantes genéticas que estão associadas ao risco de casos graves de covid-19 podem ter sido herdadas dos neandertais. Esta é a conclusão de um artigo publicado esta semana na revista científica Nature. Mas este é apenas um dos factores de risco para doença grave – outros incluem, por exemplo, a idade avançada e doenças pré-existentes.

Afinal, qual o factor de risco que pode ter sido herdado dos neandertais? Vejamos, investigações anteriores já tinham identificado um grupo de genes no cromossoma 3 (o maior dos 23 pares de cromossomas encontrados nos humanos) que estava ligado à insuficiência respiratória depois de se contrair uma infecção a partir do coronavírus SARS-CoV-2. Ao estudar genomas antigos de neandertais e denisovanos (grupos de humanos já extintos), uma equipa de cientistas – entre eles Svante Pääbo, biólogo do Instituto Max Planck de Leipzig, na Alemanha – vieram a descobrir que variantes genéticas nessa região são derivadas de um grande grupo de genes denominado “haplótipo” que foi herdado dos neandertais.

Num resumo sobre o trabalho, a equipa explica que este haplótipo está “intimamente ligado” a neandertais que viveram na actual Croácia há 50 mil anos. “Este haplótipo está presente em cerca de 16% da população na Europa e em 50% das pessoas do Sul da Ásia”, informa a equipa. A frequência mais elevada foi encontrada no Bangladesh, onde se estima que 63% da população tenha, pelo menos, uma cópia deste haplótipo.

Os autores referem ainda que a prevalência variável deste haplótipo poderá contribuir para diferenças na gravidade da covid-19 observadas em diferentes populações. Como tal, exemplificam que os indivíduos no Reino Unido com ascendência do Bangladesh têm o dobro do risco de morrer de covid-19 do que a população em geral. Svante Paabo afirmou, citado pela agência Lusa, que é “notável que a herança genética dos Neandertal tenha consequências tão trágicas durante a pandemia actual”, defendendo que se tem que “investigar o mais rapidamente possível” por que razão isso acontece.

Os antepassados dos seres humanos modernos cruzaram-se em várias alturas da história da evolução com os neandertais, o que resultou numa troca de genes que ainda hoje permanecem.

Sugerir correcção