Eleições do Benfica. António Costa e Fernando Medina na comissão de honra de Luís Filipe Vieira

Primeiro-ministro e presidente da Câmara de Lisboa argumentam que estão na comissão de honra como cidadãos e adeptos do clube.

fernando-medina,luis-filipe-vieira,sl-benfica,desporto,antonio-costa,ps,
Foto
Francisco Romao Pereira

O primeiro-ministro António Costa e o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, integram a comissão de honra da recandidatura de Luís Filipe Vieira à presidência do Benfica. A notícia é avançada pelo semanário Expresso

Questionado pelo mesmo jornal, o gabinete do primeiro-ministro afirma que a presença de António Costa na lista de apoiantes é como sócio e adepto do clube e não como primeiro-ministro ou secretário-geral do Partido Socialista (PS), à semelhança do que aconteceu nas eleições para a presidência do Benfica em 2012 e em 2016. O gabinete de Fernando Medina respondeu da mesma forma: o autarca está na comissão de honra como cidadão e sócio do clube.

Na comissão de honra da recandidatura de Luís Filipe Vieira à presidência do Benfica, cargo que ocupa desde 2003, estão mais de 500 outros nomes, numa lista que ainda não está fechada, indica o semanário, mas que conta com outras personalidades políticas como Rui Pereira, antigo ministro da Administração Interna, do presidente da Câmara do Seixal, Joaquim Santos, e dos deputados Duarte Pacheco, do PSD, e Telmo Correia, do CDS. Ainda não há data oficial para as eleições do clube.

O presidente do Benfica foi recentemente associado por Rui Pinto à Doyen. Segundo o que o pirata informático disse ao Ministério Público, o fundo de investimento terá pago a Luís Filipe Vieira viagens em jacto privado entre Portugal e o Brasil. Este é mais um caso em que o presidente do clube está envolvido: Vieira é também arguido da Operação Lex.

A notícia já teve reacção de um outro candidato à presidência, João Noronha Lopes, que refere que “nenhuma comissão de honra, lista ou órgão consultivo apresentado” pela sua candidatura vai incluir políticos em funções executivas, defendendo a “separação escrupulosa entre a política e o futebol”.

Sugerir correcção