Advogados de Luís Filipe Vieira falam em acusação “profundamente injusta” na Operação Lex

TVI avançou que o presidente do Benfica irá ser acusado no âmbito do processo que tem o juiz Rui Rangel como figura central.

rui-rangel,operacao-lex,luis-filipe-vieira,fisco,desporto,justica,
Foto
LUSA/TIAGO PETINGA

A equipa de advogados que representa o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, reagiu na noite de quinta-feira à notícia da TVI sobre a acusação do dirigente no âmbito da Operação Lex. Em comunicado, os juristas aludem a “uma acusação profundamente injusta”, assente em “factos que não são verdadeiros”. 

Vincando que, à data, ainda não tinha sido notificada da decisão, a defesa de Luís Filipe Vieira faz o historial de um processo que tem os juízes Rui Rangel, Fátima Galante e Vaz das Neves como figuras centrais, envolvendo os crimes de corrupção, branqueamento de capitais, tráfico de influências e fraude fiscal.

“O sr. Luís Filipe Vieira não subornou nem corrompeu ninguém, e muito menos determinou que se atribuíssem vantagens indevidas a quem quer que fosse. Em especial, o Sr. Luís Filipe Vieira não deu nem pagou nada, nem um cêntimo, ao Sr. Desembargador Rui Rangel (...). Nem nunca o Sr. Luís Filipe Vieira sequer lhe prometeu fosse o que fosse”, adianta.

Em relação ao processo que correu no Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra, os advogados do presidente do Benfica deixam uma pergunta no ar - “Que cidadão fica satisfeito e inactivo durante oito anos à espera que o Estado lhe devolva o que indevidamente pagou?” - e garantem que Vieira “apenas pediu a um amigo, que era amigo do Dr. Rangel, que falasse com ele sobre o que é que ele achava que se poderia fazer para o Tribunal Fiscal cumprir o seu dever de decidir”.

Em causa está o crime de alegado recebimento indevido de vantagem, já que Luís Filipe Vieira é suspeito de ter feito supostas promessas de cargos no Benfica ao juiz Rui Rangel, a troco de uma “ajuda” para desbloquear o problema fiscal que enfrentava.  

“Só numa mente profundamente criativa se pode conjecturar que o facto de o Sr. Desembargador Rui Rangel ter recebido convites para assistir a alguns jogos de futebol em que jogava o SLB tem algo a ver com o assunto da dívida do Estado ao Sr. Luís Filipe Vieira e com a ilegal demora da sentença fiscal, a ordenar a devolução do dinheiro que lhe estava a ser indevidamente retido. Convidar prestigiados benfiquistas para jogos do SLB é o que o clube sempre fez (recorde-se que o Dr. Rui Rangel concorreu à Presidência do SLB e teve o apoio de cerca de 14% dos sócios)”, acrescentam os causídicos.

Sugerir correcção