Herdeira da Gucci acusa ex-padrasto de 15 anos de abuso sexual

Segundo Alexandra Zarini, a mãe e a avó sabiam e ameaçaram-na para que não reportasse.

abusos-sexuais,impar,moda,crime,justica,
Foto
Os abusos a Alexandra Zarini terão começando quando tinha seis anos Rozette Rago/New York Times/Redux/eyevine

Alexandra Zarini, herdeira e bisneta e Guccio Gucci, fundador da marca de luxo Gucci, acusou o ex-padrasto, Joseph Ruffalo, de abuso sexual. A mãe, Patricia Gucci, e a avó Bruna Palombo terão ajudado a encobrir o caso, alega numa entrevista ao The New York Times.

A notícia surge depois de Zarini, de 35 anos, ter apresentado um processo no Tribunal Superior da Califórnia, em Los Angeles, em que denuncia mais de 15 anos de abuso sexual por parte de Ruffalo.

De acordo com os documentos entregues em tribunal, os alegados abusos por parte do empresário ligado ao mundo da música — que chegou a trabalhar com Prince — começaram desde que Zarini tinha seis anos e continuaram até ter 22.

O processo também alega que a mãe e avó sabiam do caso durante anos e não só não o reportaram, como chegaram a ameaçar a então adolescente de forma a silenciá-la. Zarini acrescenta que a mãe terá, inclusive, contribuído activamente nos avanços de Ruffalo, permitindo, por exemplo, que o então marido filmasse a filha nua no banho.

A herdeira da marca de luxo descreve no processo que a mãe chegou a agredi-la, apenas para que depois o padrasto a defendesse e usasse o seu papel de protector para iniciar o assédio. De acordo com Zarini, quando tinha 16 anos, a avó terá aconselhado a adolescente a “manter segredo e não contar a ninguém”. O mesmo conselho terá dado a mãe, quando a filha lhe contou que o marido a “encorajava a usar drogas” como cocaína e metanfetaminas.

Tudo terá sido mantido em segredo para “evitar, a todo o custo, o que seria um escândalo que poderia manchar o nome da Gucci e potencialmente custar-lhes milhões”.

Apesar de já se ter passado mais de uma década desde que os alegados abusos terminaram, a decisão de avançar para tribunal deve-se, segundo Alexandra Zarini, ao facto de se ter tornado mãe e ter descoberto que Ruffalo estará a trabalhar enquanto voluntário num hospital pediátrico em Los Angeles.

Numa resposta enviada ao The New York Times, a mãe de Zarini diz lamentar “a dor que Joseph Ruffalo causou à Alexandra” e que “o que ele lhe fez é indesculpável”. Contudo, afirma que as acusações que lhe são feitas e à avó são “completamente falsas” e que só soube dos abusos quando a filha lhe contou em Setembro de 2007, tendo “imediatamente começado o processo de divórcio”.

Já o advogado de Joseph Ruffalo revela que o seu cliente ainda não foi notificado do processo e “nega categoricamente” todas as alegações. “Enquanto esteve casado com a mãe de Alexandra, o senhor Ruffalo e a sua esposa estavam realmente preocupados com a saúde mental de Alexandra e tomaram medidas relativamente à sua instabilidade. Aparentemente esses esforços falharam”, afirma o advogado.

Sugerir correcção