Sem medidas efectivas, vamos continuar a ter “piroverões”

Os culpados são todos os governos que temos tido, particularmente a partir da extinção dos Serviços Florestais. Porém, todos esses governantes, não só não assumem o que fizeram, como não são capazes de admitir o erro e, no mínimo, criarem novamente os Serviços Florestais.

O Governo do Líbano foi avisado, até por escrito, de que havia o risco do que ocorreu. Depois, demitiram-se como se isso fosse a condenação que mereciam pela mortalidade e destruição de que foram culpados.

Por cá temos a tragédia dos anuais Verões com incêndios florestais devastadores e mortíferos, apesar de há mais de 40 anos termos (eu e outros) alertado, muitas vezes, no que estavam a transformar o nosso país, particularmente as regiões Norte e Centro: numa pira contínua de lenha altamente inflamável, isto é, eucaliptal (produtos aromáticos voláteis e altamente incandescentes) e pinhal (resina, volátil e altamente incandescente) intensivos, contínuos e contíguos. Mostrei isso de helicóptero a um Presidente da República (Mário Soares). Não valeu de nada.

Em vez de travarem ou obrigarem a uma arborização cuidada e ordenada, fizeram ainda pior: extinguiram os Serviços Florestais. Assim, deixou de haver qualquer entidade competente para regularizar e não deixar arborizar da maneira desmesurada e contínua, como aconteceu durante estas dezenas de anos. Por outro lado, nos Serviços Florestais havia os guardas florestais que viviam no meio rural. Eram vigilantes permanentes e conheciam bem a região onde circulavam. Podia haver incêndios, mas nunca foram tão devastadores e mortíferos como os actuais.

Os culpados são todos os governos que temos tido, particularmente a partir da extinção dos Serviços Florestais. Porém, todos esses governantes, não só não assumem o que fizeram, como não são capazes de admitir o erro e, no mínimo, criarem novamente os Serviços Florestais. Além disso, muito do património construído (particularmente casas florestais) ainda existe, embora a maioria bastante delapidado.

Enquanto não se tomarem medidas efectivas, vamos continuar a ter “piroverões” (pyra = fogueira) e mortes, por termos uma ignisilva (igneus = fogo; silva = floresta) contínua e contígua.

Foto
Deserto rochoso no Gerês, cerca do Pico da Nevosa, em Setembro de 2013 DR

Além dessas medidas, é fundamental também acabar com os “pirotelejornais”. Quando há incêndios, já vi telejornal inteiro com imagem de fundo de um pavoroso incêndio. Além de absurdo, é de uma tremenda falta de ética. Sabemos que não se noticiam suicídios mostrando imagens, por poderem levar à tentativa de suicídio de pessoas fragilizadas ou com essa tendência. Todos nós sabemos que existem incendiários: uns doentes (pirómanos) e outros por interesse ou vingança estúpida.

Há já muitos anos, quando ainda dava aulas (tenho 86 anos), numa altura de elevado número de fogos florestais de um piroverão, fui, uns dias, com alunos meus para a parte alta da serra da Estrela, de ampla visão panorâmica. Numa noite, depois de assistirmos a um desses pirotelejornais, fomos para cima de um rochedo observar o horizonte. Passado pouco mais de uma hora, começaram a surgir incêndios no horizonte. Foram cerca de meia dúzia, durante as horas que ali estivemos.

O espectáculo desses pirotelejornais é vergonhoso, particularmente as reportagens dos repórteres locais, pois estes “jornalistas” têm imensa preocupação em estarem a mostrar imagens dos incêndios enquanto falam e, muitas vezes, até parece estar a relatar um jogo de futebol. Com os noticiários das estações de rádio, também há uma enorme falta de ética e profissionalismo. Há uns anos, no início de um mês de Abril excepcionalmente quente, no noticiário das 5 da manhã da Antena 1, ouvi o locutor anunciar que o dia iria ser novamente quente como o dia anterior, “mas os incêndios ainda não começaram”. Prefiro não qualificar!...

Por outro lado, nestes noticiários (televisão e rádio), os entrevistados são sempre os mesmos: ministros; secretários de Estado; autarcas; comandantes de bombeiros e quejandos. Este ano até ouvi o Presidente da República afirmar que os pavorosos incêndios na região de Oleiros resultaram de falta de vigilância por causa do confinamento a que a actual pandemia obriga. Felizmente, a população portuguesa não é imbecil, como muitas vezes querem fazer transparecer as desculpas apresentadas pelos entrevistados nestes show offs televisivos.

Deviam era anunciar o número de vítimas mortais que os piroverões já provocaram nestes últimos 40 anos, muitos dos quais bombeiros voluntários, pois faltam os profissionais que conheciam o terreno e sabiam combater fogos florestais, que eram os técnicos e guardas florestais. Além disso, os guardas florestais apercebiam-se das pessoas que circulavam pelas florestas e baldios. Assim, havia muitíssimo menos fogos postos por incendiários e por pirómanos.

Infelizmente, vamos continuar com piroverões, plenos de fogos florestais, mortes e enormes despesas, muito superiores à de uns Serviços Florestais bem estruturados e um país ruralmente ordenado.

Finalmente, com tantos incêndios florestais e sem Serviços Florestais com capacidade de rearborizar ordenadamente, as regiões montanhosas do país, estão a transformar-se em desertos de rocha nua, por erosão pluviosa, com consequente arrastamento de solos, como já é visível, particularmente no Norte e Centro do país.