PIB: Governo admite rever previsões do Orçamento Suplementar

Para o CDS e PCP, a queda histórica do PIB não reflecte apenas o impacto da pandemia, mas as más respostas dadas pelo Governo.

Portugal
Foto
O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, admitiu que o crescimento da economia previsto no Orçamento Suplementar deve sofrer uma "reflexão" rui gaudêncio

A queda sem precedentes do Produto Interno Bruto (PIB) neste segundo semestre do ano em 14,1% é, para o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, “uma confirmação do que já se sabia”. Em reacção aos dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta sexta-feira, o ministro da Economia centrou o seu discurso na ainda “ligeiríssima recuperação"​ registada em Junho e, admitindo que muitas empresas não vão conseguir aguentar as consequências da crise, Siza Vieira acredita que os apoios comunitários terão um papel fundamental para “voltar a crescer da forma mais positiva possível”. Mas admite rever as previsões de crescimento do Orçamento Suplementar. Do lado dos partidos, o PCP e CDS foram os únicos a reagir. Enquanto os comunistas culpam o Governo pelas “medidas erradas” que conduziram “à queda brutal” do PIB, os centristas lamentam o "trambolhão muito significativo”. 

Para o ministro da Economia, os níveis de contracção da economia, que colocam o PIB a recuar 14,1% face ao trimestre anterior e a cair 16,5% quando comparado com o período homólogo, ou seja, com o mesmo trimestre do ano anterior, confirmam o impacto da pandemia e das medidas de confinamento aplicadas, que se traduziram na “queda da actividade económica, a quebra do consumo privado, a quebra do investimento” e “sobretudo uma grande quebra das exportações”.

Para Siza Vieira insistiu que foi especialmente a descida de exportações que explicou o recuo brutal da economia portuguesa, uma vez que a pandemia atingiu duramente alguns dos “maiores clientes" do país “como é o caso de Espanha, Itália, França e Alemanha”, todos eles “com quedas superiores às que estavam estimadas”, justificou o governante.

Depois da “queda muito abrupta no segundo trimestre”, o Governo espera que o terceiro e quatro trimestres sejam de “recuperação”, mas não arrisca traçar um ritmo de crescimento.

PÚBLICO -
Aumentar

O ministro da Economia garante que durante os próximos meses o Governo irá “continuar a apoiar as empresas relativamente ao alívio de um conjunto de custos importantes, continuar a apoiar o rendimento dos trabalhadores que perderam o emprego ou dos trabalhadores independentes e trabalhadores informais que não têm sequer acesso ao subsídio de desemprego”, incluindo através do "alívio do sistema bancário”.

Mas o governante vincou que é preciso “manter a capacidade produtiva das empresas”: “A retoma vai acontecer a um ritmo que não vai permitir recuperar totalmente o potencial produtivo das empresas”, mas ainda assim o esforço será para que a retoma seja “o menos dolorosa possível”. Apesar dos apoios, Siza Vieira “não ignora” e reconhece que “é provável que algumas empresas não consigam aguentar e que com isso haja um crescimento de insolvências e de desemprego”. Ainda que seja um cenário “lamentável”, é também o cenário “expectável”, apontou.

Questionado sobre o impacto da queda do PIB no défice, Pedro Siza Vieira admitiu que “estes números vão obrigar a reflectir sobre as projecções que constam no Orçamento Suplementar”, mas sublinhou que “todos os apoios que a União Europeia disponibiliza vão permitir recuperar muita da despesa que tivemos este ano" na resposta à pandemia. O próximo ano trará “recursos muito importantes” para resolver “problemas de insolvência das empresas e apoiar o investimento, que vai dar um estímulo à actividade económica e criar crescimento as bases do crescimento futuro”.

PCP culpa “medidas erradas” do Governo

Além da pandemia, o PCP considera que a “brutal queda” do PIB é um efeito das medidas “erradas, limitadas e insuficientes” para dar resposta à crise. Numa nota do dirigente do PCP Agostinho Lopes, o ex-deputado aponta três explicações para esta quebra, a começar pelo “contributo negativo da procura interna”, o que, para o PCP, aponta para “o erro” que foi a “adopção do layoff e o insuficiente combate aos despedimentos, fruto do oportunismo de algum grande patronato traduzido numa quebra de salários e logo do poder de compra das famílias”.

O PCP critica "as limitadas e insuficientes medidas” adoptadas pelo executivo, incluindo “as restrições de acesso para o apoio de milhares de micro, pequenas e médias empresas que se viram sem vendas e receitas” devido à “drástica redução ou encerramento da sua actividade”.

CDS-PP fala em “trambolhão muito significativo"

Do lado dos centristas, a perspectiva é “muito pessimista”. Francisco Rodrigues dos Santos, presidente do CDS-PP, considerou que a queda do PIB representa “um trambolhão muito significativo” e antecipa uma “derrapagem económica” a partir de Setembro. “Há uma discrepância entre o país de Costa e o país que encosta”, considerou Francisco Rodrigues dos Santos.

Para o líder do CDS, o Governo tem “planos a mais” e “planeamento a menos”. Os centristas consideram que o executivo socialista devia, em contrapartida, “falar menos de obras públicas e mais de investimento privado”, “menos de distribuição e mais de crescimento e competitividade da economia” e “mais de trabalhadores e menos de funcionários”.

Sugerir correcção