Pandemia traz nova queda recorde para a economia portuguesa

O INE confirmou contracção acentuada do PIB durante os meses de Abril, Maio e Junho. A economia encolheu 14,1% apenas num trimestre, a redução da actividade económica mais brusca desde pelo menos 1977. O resultado foi pior do que o da média da zona euro.

coronavirus,pglobal,pib,instituto-nacional-estatistica,conjuntura,economia,
Foto
DIOGO VENTURA

O choque provocado pela pandemia trouxe um novo recorde negativo para a economia portuguesa. O PIB registou, durante o segundo trimestre deste ano, uma contracção face ao trimestre imediatamente anterior de 14,1%, a maior de que há registo. E quando a comparação é feita com o mesmo trimestre do ano anterior, a diminuição do PIB foi de 16,5%, também um novo máximo. As quebras registadas em Portugal são maiores do que as da média europeia.

O anúncio foi feito esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) na sua estimativa rápida da evolução das contas nacionais durante o período de Abril a Junho deste ano. Os dados confirmam o impacto severo que a pandemia do novo coronavírus e as medidas de confinamento aplicadas para a combater tiveram na economia portuguesa durante esse período.

Tanto a variação em cadeia de -14,1% registada no PIB como a variação homóloga de -16,5% são, de longe, os valores mais baixos de que há registo nas séries históricas do PIB trimestral publicadas pelo INE e pelo Banco de Portugal que vão até ao ano de 1977. 

No primeiro trimestre do ano, apesar da aplicação de medidas de confinamento apenas ter começado a partir de meados de Março, a variação negativa do PIB já tinha sido de 3,8% face ao trimestre anterior (o que constituiu logo um novo recorde histórico) e de 2,3% face ao período homólogo.

PÚBLICO -
Aumentar

Nos dados publicados esta sexta-feira, o INE não inclui informação detalhada sobre a evolução das diversas componentes do PIB. Ainda assim, adianta que, sem surpresa, se registaram durante o segundo trimestre quedas acentuadas na generalidade dos indicadores. Consumo privado, investimento, exportações e importações, todos diminuíram. No caso das exportações, muito por força da quebra no turismo, a contracção foi maior do que a das importações, assinala o INE.

O resultado agora registado no segundo trimestre está em linha com aquilo que era previsto pela Comissão Europeia. Quando anunciou as suas previsões de Verão, Bruxelas apontou precisamente para uma contracção em cadeia da economia nacional durante o segundo trimestre de 14,1%, resultado que depois conduz, segundo os cálculos dos técnicos da Comissão, para uma queda do PIB no total de 2020 de 9,8%. 

O Governo não fez projecções para o PIB trimestral, mas a sua previsão de queda da economia para o total do ano é consideravelmente mais optimista que o da Comissão Europeia: 6,9%. E pode, com o número agora anunciado pelo INE, ficar ainda mais em causa.

Num comunicado enviado aos meios de comunicação social a seguir à divulgação dos dados pelo INE, o Ministério das Finanças não dá conta de que qualquer intenção de alterar as suas previsões para o crescimento da economia em 2020, destacando antes os sinais de recuperação da actividade económica que detecta em alguns indicadores. 

O ministério liderado por João Leão diz que “a redução muito acentuada do PIB no segundo trimestre reflecte o impacto provocado pela pandemia de covid-19” e assinala em particular que “está associada ao período de maior recolhimento do estado de emergência, que vigorou entre 18 de Março e 2 de Maio antes”.

Depois, tentando dar uma nota de optimismo no meio de uma queda tão forte da economia, as Finanças referem que “nas últimas semanas, findo o estado de emergência, os indicadores económicos de alta frequência apresentam já sinais de uma recuperação progressiva da actividade económica”. Os exemplos dados desses indicadores são o aumento das compras com recurso ao cartão multibanco e a recuperação do consumo de electricidade empresarial. 

Zona euro cai 12,1%

A queda do PIB português durante o segundo trimestre foi - tal como já tinha acontecido no primeiro - maior do que a registada no total da zona euro.

De acordo com os dados publicados também esta sexta-feira pelo Eurostat (com base nos dados disponibilizados por dez países), a economia da zona euro contraiu-se 12,1% face ao trimestre imediatamente anterior. A variação homóloga negativa situou-se em 15%. Estes são também os piores resultados de que há registo.

Todos os países que já publicaram dados das contas nacionais do segundo trimestre do ano, incluindo Portugal, entraram numa situação de recessão técnica (definida como dois trimestres consecutivos de variação negativa do PIB em cadeia). Apenas um deles apresenta um resultado pior que o de Portugal: a Espanha, que foi também um dos países mais afectados pela pandemia. A economia espanhola registou uma queda de 18,5% face ao trimestre anterior, colocando a variação homóloga do PIB em -22,1%.

A Itália, outro dos países mais afectados pela crise sanitária, viu a economia cair um pouco menos durante o segundo trimestre, com uma variação negativa em cadeia de 12,4%. No entanto, a contracção em termos homólogos no segundo trimestre continua a ser maior do que a de Portugal, situando-se em 17,3%, o que se explica pelo facto de, logo no primeiro trimestre, a economia italiana ter-se contraído mais que Portugal.

O mesmo acontece em França, que apresenta uma variação em cadeia do PIB de -13,8% e uma variação homóloga de -19%.

Na maior economia da zona euro, a alemã, que já tinha divulgado os dados do PIB do segundo trimestre esta quinta-feira, a contracção economia foi de 10,1% face ao trimestre imediatamente anterior e de 11,7% face ao mesmo período do ano passado.

Entre as 10 economias que já apresentaram dados, a que regista uma menor quebra é a da Lituânia, que diminuiu 5,1%.

Sugerir correcção