Coimbra apresenta 700 km de trilhos para caminhar. Bruno Aleixo ajuda

São os Caminhos da Região de Coimbra, entre pequenos trilhos e quatro grandes rotas. O célebre Bruno Aleixo é o embaixador dos passeios.

natureza,passeios,fugas,coimbra,turismo,florestas,
Fotogaleria
DR
natureza,passeios,fugas,coimbra,turismo,florestas,
Fotogaleria
DR
natureza,passeios,fugas,coimbra,turismo,florestas,
Fotogaleria
DR
natureza,passeios,fugas,coimbra,turismo,florestas,
Fotogaleria
DR
natureza,passeios,fugas,coimbra,turismo,florestas,
Fotogaleria
DR
Cenário da montagem
Fotogaleria
DR
natureza,passeios,fugas,coimbra,turismo,florestas,
Fotogaleria
DR
natureza,passeios,fugas,coimbra,turismo,florestas,
Fotogaleria
DR
natureza,passeios,fugas,coimbra,turismo,florestas,
Fotogaleria
DR
natureza,passeios,fugas,coimbra,turismo,florestas,
Fotogaleria
DR
natureza,passeios,fugas,coimbra,turismo,florestas,
Fotogaleria
DR
natureza,passeios,fugas,coimbra,turismo,florestas,
Fotogaleria
DR
natureza,passeios,fugas,coimbra,turismo,florestas,
Fotogaleria
DR
natureza,passeios,fugas,coimbra,turismo,florestas,
Fotogaleria
DR

“É lindo ou não é lindo?”, interpela Bruno Aleixo sobre um areal ao pôr do sol. O personagem coimbrão, criado pelos humoristas João Moreira e Pedro Santo, foi o embaixador escolhido para dar voz ao vídeo de apresentação dos “Caminhos da Região de Coimbra”, uma nova rede de trilhos pedestres lançada oficialmente no domingo e que integra mais de 700 quilómetros de rotas municipais e intermunicipais.

Se estiver com “saudades de andar a pé”, lança o humor cáustico de Bruno Aleixo, é pôr-se a caminhar pela região: “dá para subir à serra” e “andar à beira do rio”, “para pôr o pé na areia” e “andar no meio do mato”. “Até se vai ali para os arrozais do Mondego.”

A rede de percursos pedestres integra quatro grandes rotas, que “proporcionam vários dias de caminhadas e experiências”: do Mondego (124 km), do Alva (106 km), do Bussaco (56 km) e o Caminho Natural da Espiritualidade (67 km). Para além de pequenos trilhos temáticos, dedicados às salinas, à exploração de pedra calcária, às aves de Montemor-o-Velho, entre outros.

O objectivo passa por “promover e valorizar os corredores de património natural da região”, que “permitem a conciliação do conceito de isolamento social com a descoberta e contacto com a natureza”, aponta em comunicado a Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra, que dinamiza a iniciativa.

Os percursos pedestres que integram a nova rede, anunciam ainda, “sofreram um reforço das condições físicas de apoio à visitação”, nomeadamente “a requalificação de caminhos e percursos, sinalética, estruturas de observação e de relação com a natureza, unidades de visitação e de apoio ao visitante, rotas temáticas, estruturas de informação e suportes de comunicação e divulgação”.

Sugerir correcção