Trump ameaça fechar redes sociais, depois de o Twitter ter assinalado uma publicação sua

“Os republicanos sentem que as plataformas de redes sociais silenciam completamente as vozes conservadoras”, disse o Presidente dos EUA.

redes-sociais,internet,eua,mundo,twitter,america,
Foto
Reuters/JONATHAN ERNST

O Presidente norte-americano, Donald Trump, ameaçou nesta quarta-feira regular ou mesmo “fechar” as empresas de redes sociais, depois de o Twitter ter assinalado uma das suas publicações na rede social com uma ferramenta de verificação de factos.

Segundo Trump, as redes sociais censuram as visões mais conservadoras. “Os republicanos sentem que as plataformas de redes sociais silenciam completamente as vozes conservadoras. Vamos regulá-las fortemente, ou fechá-las, antes de permitirmos que isto aconteça”, escreveu no Twitter, acrescentando que isso foi tentado nas eleições de 2016. A mensagem termina com uma ordem: “Aprendam a comportar-se, AGORA!!!!”

Na terça-feira, o Twitter assinalou uma publicação de Trump sobre os perigos do voto por correspondência com um ponto de exclamação que direcciona para uma ligação que permite conferir a veracidade da mensagem — foi a primeira vez que fez isto a uma publicação de Trump, após anos de críticas que apontavam o dedo à empresa por ser demasiado benevolente com as informações duvidosas transmitidas pelos líderes políticos.

Pouco tempo depois, o Presidente acusou a empresa de estar a interferir nas eleições de 2020 e a amordaçar a liberdade de expressão. 

Apesar de ter usado este sistema de voto no passado, Trump disse que este tipo de votação está intimamente ligado à falsificação eleitoral, facto que não é suportado por provas. Nesta quarta-feira voltou ao mesmo tema: “Não podemos deixar a votação por correio em larga escala implantar-se no país. Seria uma oportunidade para todos de fraude, falsificação e roubo de boletins.”

A votação por correio tem estado no centro da discussão política nos EUA, uma vez que a pandemia pode causar problemas à votação presencial.

Sugerir correcção