Torne-se perito Crítica

Entre o medo e o desejo está a paixão

Com a Europa das guerras napoleónicas em fundo, Jeanette Winterson indaga acerca do lugar do corpo no jogo do amor e do prazer. A Paixão cruza fantasia e realidade, ironia e um olhar sobre convenções a partir de duas personagens marginais à grande História.

ipsilon,critica-livros,ficcao,critica,culturaipsilon,livros,
Foto
Uma das autoras mais estimulantes em língua inglesa: arrojo, fantasia, ambivalência, ironia, sentido poético, contenção... Leonardo Cendamo/Getty Images

“Estou a contar-vos histórias, acreditem em mim.” A frase é dita por Villanelle, personagem subversiva, uma veneziana que viveu na Europa das guerras napoleónicas. Tem o efeito de um refrão, carrega desafio e ambiguidade suficientes para enredar o leitor no labirinto narrativo que é o quarto livro da britânica Jeanette Winterson (Manchester, 1959), um original de 1987. A Paixão chega meses depois de Frankissstein (Elsinore, 2019), uma ficção sobre a vida de Mary Shelley e do seu clássico Frankenstein, que esteve na longlist da última edição do Booker Prize, e tem muitos dos elementos que tornaram Winterson uma das autoras mais estimulantes e criativas em língua inglesa: arrojo, fantasia, ambivalência, ironia, sentido poético, contenção e, com isso, uma teia de significados que induzem a uma espécie de perdição, que é um dos efeitos mais instigantes da literatura.