Fiat Chrysler mantém fusão com PSA após perder 1690 milhões

Negociações prosseguem para a criação do quarto maior fabricante do mundo. Fábricas já reabriram, grupo espera perdas “significativas” no segundo trimestre.

,Automóveis Fiat Chrysler
Foto
Reuters/Massimo Pinca

O grupo italo-americano Fiat Chrysler (FCA) registou perdas de 1830 milhões de dólares (1690 milhões de euros) no primeiro trimestre de 2020 e avisa que o segundo semestre não será melhor, tendo alertado o mercado que espera perdas “significativas” no segundo trimestre.

No período homólogo, em 2019, o resultado líquido tinha sido positivo em 509 milhões de euros. Apesar das perdas, a FCA diz que continua a trabalhar nos planos da fusão com o rival francês PSA (Peugeot-Citroën), cujas negociações prosseguem “muito bem”, segundo disse o presidente-executivo da FCA.

Na apresentação de resultados, Michael Manley garantiu que os termos do pré-acordo com a PSA "não sofreram alterações” e acrescentou que a FCA "continua comprometida com a conclusão da fusão até ao final deste ano ou, o mais tardar, no início de 2021”.

A fusão PSA-FCA dará origem ao quarto maior fabricante mundial de carros, que será liderado pelo gestor português Carlos Tavares, actual presidente do grupo francês.

A venda de carros afundou-se de forma dramática nas últimas semanas, primeiro na China e depois no resto do mundo. Na Europa, o Reino Unido divulgou hoje o pior resultado desde 1946, com as vendas de Abril a recuarem 97,8%.

Perante o cenário negativo, que obrigou a generalidade da indústria a fechar temporariamente fábricas em todo o planeta, a FCA congelou o pagamento de 1100 milhões de euros em dividendo.

"A pandemia teve e continua a ter um impacto significativo nas nossas operações”, lê-se num comunicado hoje emitido pela empresa.

Apesar do resultado líquido negativo, o grupo forjado por Sergio Marchionne (falecido em Julho de 2018) e cujas raízes radicam na família Agnelli, de Turim, até conseguiu um resultado operacional ajustado positivo.

Por outras palavras, descontando imparidades, investimentos, actividades secundárias e perdas extraordinárias com impacto contabilístico, a FCA conseguiu um lucro operacional antes de impostos e juros (EBIT) de 52 milhões de euros, à custa do mercado norte-americano, que é o principal da FCA e uma das metas que a PSA pretende atingir com esta fusão.

As fábricas na China e na Europa já reabriram e as unidades da América do Norte retomarão a 18 de Abril.