Torne-se perito

Militares vão desinfectar 520 escolas que terão aulas presenciais

Primeira operação decorreu nesta quarta-feira na Amadora. Calendário ainda está a ser fechado pelas Forças Armadas, mas escolas já foram avisadas que assistentes operacionais têm de estar disponíveis para responder no imediato.

Fotogaleria
Desinfecção nas escolas Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Desinfecção nas escolas Nuno Ferreira Santos
Veículo de luxo
Fotogaleria
Acção foi acompanhada pelo governo Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Militares levaram a cabo acção de desinfecção nas escolas Nuno Ferreira Santos

O ministro da Defesa João Gomes Cravinho revelou nesta quarta-feira que as operações de desinfecção vão incidir, nas “próximas semanas”, nas cerca de 520 escolas que estão sinalizadas para poderem reabrir aulas presenciais para os alunos do 11.º e 12.º ano, o que deverá acontecer a partir de 18 de Maio.

“O planeamento está praticamente finalizado. Já para esta semana e para as próximas semanas o planeamento permitirá atingir todas as escolas onde eventualmente poderá vir a haver aulas presenciais”, disse o ministro durante a primeira operação de desinfecção que se realizou nesta quarta-feira na Escola Secundária da Amadora.  O ministro da Educação Tiago Brandão Rodrigues também esteve presente nesta operação.

Estas operações estão a cargo das Forças Armadas, que segundo João Gomes Cravinho vão dispor de 82 equipas para o efeito até ao final desta semana, estando outras 15 a receber formação do Exército. “(Este reforço) permite chegar a todos os pontos do país onde seja necessário, em apoio ao Ministério da Educação, para que possa haver uma nova normalidade nas escolas”, considerou o governante, acrescentando que caso os alunos do 11.º e 12.º ano regressem às aulas presenciais, as escolas vão ser espaços seguros.

PÚBLICO -
Foto
Nuno Ferreira Santos

O calendário das operações ainda não está concluído, mas o Ministério da Educação já deu instruções às escolas para que estejam preparadas para estas acções. Numa nota que começou a ser enviada na terça-feira à noite, a que o PÚBLICO teve acesso, a Direcção-Geral dos Estabelecimentos Escolares indicou aos directores para desenvolverem “os esforços necessários para garantir que os assistentes operacionais possam, nas situações em que tal for necessário, encontrar-se ao serviço, na escola, no fim de semana/feriado (caso venha a ser essa a calendarização da escola a que pertencem)”.

Escolas de prontidão

Os assistentes operacionais vão receber instruções dos militares quanto à correcta utilização dos equipamentos de protecção individual, gestão de resíduos, e procedimentos de limpeza. As salas de aula, por exemplo, devem ser limpas sempre que haja mudança de turma e os refeitórios logo após a utilização de um grupo e antes de outro entrar no espaço, refere-se numa norma da Dgeste divulgada nesta quarta-feira, que foi elaborada com a orientação da Direção-Geral da Saúde (DGS) e das Forças Armadas, hoje divulgada,

PÚBLICO -
Foto
Nuno Ferreira Santos

O ministro da Educação aproveitou a visita para elogiar o trabalho das Forças Armadas, sublinhando que “desde o primeiro momento, mostraram total disponibilidade para coadjuvar o trabalho do Ministério da Educação no esforço nacional para, paulatinamente, irmos pensando o desconfinamento”.

Os estabelecimentos de ensino estão encerrados desde 16 de Março, depois de o Governo ter decidido suspender as actividades lectivas presenciais devido à pandemia da covid-19, uma medida que se vai prolongar até ao final do ano lectivo para os alunos do ensino básico e 10.º ano.

Apenas os alunos do 11.º e 12.º anos poderão regressar às escolas, para ter aulas presenciais de preparação para os exames nacionais de acesso ao ensino superior. A data para este regresso será anunciada na quinta-feira pelo primeiro-ministro, António Costa, após reunião do Conselho de Ministros.

Sugerir correcção