O Meu Herói és tu: há um livro para ajudar as crianças a combater a covid-19

Numa altura em que muitas crianças têm de ficar em casa e todos os dias ouvem falar da covid-19, criou-se um livro para as ajudar a lidar com a situação e a tornarem-se heroínas das suas próprias histórias.

saude,livros,organizacao-mundial-saude,virus,psicologia,doencas,
Fotogaleria
Ilustração do livro: Sara viaja com uma criatura fictícia Helen Patuck/IASC
saude,livros,organizacao-mundial-saude,virus,psicologia,doencas,
Fotogaleria
Ilustração do livro: Sara questiona a mãe sobre o coronavírus Helen Patuck/IASC
saude,livros,organizacao-mundial-saude,virus,psicologia,doencas,
Fotogaleria
Ilustração do livro: Sara viaja por diferentes sítios no mundo Helen Patuck/IASC
saude,livros,organizacao-mundial-saude,virus,psicologia,doencas,
Fotogaleria
Ilustração do livro: quando a mãe diz a Sara que ela é a sua heroína Helen Patuck/IASC

Para Sara, a sua mãe é uma heroína porque é a melhor mãe e cientista do mundo. Mas, mesmo ela, ainda não conseguiu encontrar uma solução para a covid-19. Nesta altura, e porque todos podemos combater o novo coronavírus, a mãe de Sara precisa que seja ela a sua heroína também. E Sara pergunta-se: como? Para o descobrir, vai fazer uma viagem às costas de uma criatura fictícia. Este é o mote do livro O Meu Herói és tu criado para que as crianças possam compreender como podem lutar contra covid-19. O livro está disponível online em mais de dez línguas e já há uma versão em português.

O Grupo de Referência do Comité Permanente Interagências (IASC) para a Saúde Mental e Apoio Psicossocial em Emergências Humanitárias (criado pela ONU) tinha um grande objectivo: fazer um livro que ajudasse as crianças dos 6 aos 11 anos a entender a covid-19 e tudo o que está a acontecer à sua volta. A este grupo juntaram-se mais de 50 organizações do sector humanitário (alguns membros do IASC), como a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho e a Save the Children. 

O tom do livro deveria parecer real. Portanto, ao longo do desenvolvimento deste projecto, mais de 1700 crianças, pais, cuidadores e professores de mais de 100 países partilharam como estavam a lidar com a actual pandemia. Também participaram crianças e pais portugueses. Como a amostra deve permanecer anónima, os seus nomes não puderam ser divulgados.

Tendo em consideração os testemunhos de diversas crianças e adultos, a escritora e ilustradora Helen Patuck e a sua equipa elaboraram então uma história que pretende englobar crianças de diferentes continentes e contextos.

Voltando à história: depois de ter falado com a sua mãe, Sara sentia-se tudo menos uma heroína. “Naquela noite, Sara encostou-se à cama e não se sentiu de todo uma heroína. Sentia-se irritada. Queria ia à escola, mas estava encerrada. Queria ver os seus amigos, mas não era seguro. Sara queria que o coronavírus deixasse de assustar o seu mundo”, lê-se. Foi então que apareceu Ario, uma criatura fictícia que iria transformar Sara numa heroína. Afinal, iria levá-la a dizer a todas as crianças do mundo como se podem proteger a si e aos outros do coronavírus, assim como se pode geria as emoções quando confrontados com uma mudança repentina.

PÚBLICO -
Foto
Ilustração do livro: Sara e uma criatura fictícia viajam por diferentes partes do mundo Helen Patuck/IASC

Sara e Ario passaram pelo deserto, por uma pequena povoação, uma ilha ou por montanhas, onde outras crianças se foram juntando à viagem e relatando a sua experiência durante a pandemia. Falaram ainda de como podem proteger os seus avós, de como podem gerir as relações com os seus familiares enquanto estão confinados ou de crianças que já tiveram covid-19. No final desta aventura, Sara percebeu que todos podemos ser heróis nesta situação e que cada um tem os seus superpoderes. “Há muitos heróis que mantêm as pessoas a salvo do coronavírus, como médicos e enfermeiros maravilhosos. Mas tu recordas-me que todos podemos ser heróis, todos os dias, e a minha maior heroína és tu”, disse a mãe a Sara.

Em mais de 30 línguas

Há recomendações para a leitura deste livro: deve ser lido às crianças pelos pais, cuidadores ou professores. Na introdução do livro, refere-se ainda que, em breve, será publicado o guia complementar “Acções para Heróis” para dar apoio a temas relacionados com a covid-19, ajudando as crianças a gerir as emoções e sentimentos, bem como actividades baseadas no livro.

Até agora, o livro está disponível online já está traduzido em inglês, russo, francês, ucraniano, árabe, espanhol, alemão, turco, malaio, turco, dinamarquês, chinês e português. A tradução da publicação em português está disponível aqui. Espera-se que o livro seja traduzido em mais de 30 línguas e também será lançada uma versão áudio.

“Emergências humanitárias anteriores mostraram-nos como é vital lidar com os medos e ansiedade dos mais novos quando a vida, como a conhecemos, fica virada de cabeça para baixo”, afirma em comunicado Tedros Adhanom Ghebreyesus, director-geral da OMS. “Esperamos que este livro maravilhosamente ilustrado, que leva as crianças numa viagem ao longo de diferentes fusos horários e continentes, as ajude a compreender o que é possível fazer para se manterem positivas e seguras durante a pandemia do coronavírus.”

Já Henrietta Fore, directora-executiva da UNICEF, destaca que em todo o mundo as crianças estão a viver num mundo “invertido” e a maioria a viver de alguma forma confinada: “Este maravilhoso livro ajuda as crianças a compreender e a navegar nesse cenário e a aprender como podem realizar pequenas acções para se tornarem heróis nas suas próprias histórias.”  

Sugerir correcção