Covid-19: Amêndoas tradicionais de Figueira de Castelo Rodrigo com quebra nas vendas

As amêndoas têm “muita validade” e a doceira vaticina que não se desperdiçam, mas lamenta as perdas no negócio que nesta altura do ano costuma ser “muito bom”.

Foto
RG Rui Gaudencio

A doceira Maria Eugénia Torres, que produz amêndoas tradicionais em Figueira de Castelo Rodrigo, na Guarda, que são muito procuradas na Páscoa, está a registar este ano uma quebra acentuada nas vendas devido à pandemia da covid-19.

“As vendas estão super mal, não se vende quase nada. Os nossos melhores clientes cortaram mesmo [com as encomendas], porque estão fechados e sem vendas, tal como os aeroportos nacionais e a maior parte das lojas gourmet”, disse a empresária à agência Lusa.

Maria Eugénia Torres referiu que apenas está a comercializar “alguma coisita” para pequenas mercearias, mas a percentagem de vendas não tem comparação com os anos anteriores, quando, em média, nesta época, costumava vender “entre 400 a 500 quilos de amêndoas”.

A empresária vaticina que a Páscoa deste ano não vai representar “nada” em termos de comercialização das típicas amêndoas que confecciona, quando até “tinha muito material feito para venda”.

“Como trabalhamos para os aeroportos, as encomendas são muito grandes e temos de estar sempre preparados. Este ano, começámos a preparar-nos, com muitos pacotes de amêndoas e, olhe, estão aqui [armazenadas na unidade fabril]”, relatou.

As amêndoas têm “muita validade” e a doceira vaticina que não se desperdiçam, mas lamenta as perdas no negócio que nesta altura do ano costuma ser “muito bom”.

Desde que iniciou a actividade, há cerca de uma dúzia de anos, Maria Eugénia Torres nunca passou “por uma situação destas”. Agora, espera que a pandemia passe para o negócio voltar a ser o que era.

“Já não tenho a empregada a trabalhar, porque o que tínhamos feito chega e alguma coisa que é preciso faço eu. Espero que as coisas mudem lá para Agosto ou Setembro, já nem penso em Junho, como me diz o meu filho”, rematou.

A doceira de Figueira de Castelo Rodrigo, no distrito da Guarda, que comercializa os seus produtos com a marca “Sabores da Geninha”, aceita encomendas online, que podem ser feitas através da página do Facebook ou por telefone.

Para além das amêndoas tradicionais que labora de várias maneiras (doces, torradas, com sabores de gengibre, café, anis, sésamo, ervas aromáticas, caril, etc.), Maria Eugénia Torres confeciona amendoins, torrões, bolos de amêndoa, canela, limão, coco, alfarroba, torrões e compotas diversas, entre outros produtos.