No Porto, todas as noites, Às Dez no Largo “acontece alguma coisa”

A hora está marcada e é cumprida escrupulosamente: às 22 horas, os moradores do Largo Curso Silva Monteiro, no Porto, abrem as janelas e saem às varandas. Porque a essa hora, todos os dias, desde 19 de Março, "acontece alguma coisa" que lhes anima o período de quarentena: um momento musical que se transforma numa festa.

Foi depois do aplauso aos profissionais de saúde, que se reproduziu nas janelas de todo o país — e inspirado nos italianos que saíram às janelas para cantar com os vizinhos —, que Leonor Cabral decidiu começar o Às Dez No Largo. Criou uma conta no Instagram e até uma playlist no Spotify. Desde então, já ouviu os vizinhos a cantar Pedro Abrunhosa, Azeitonas ou Rui Veloso. Equipados com lanternas do telemóvel, luzes nas varandas ou pequenos LED nos dedos, todos cantam e dançam. E até receberam um vídeo de Quim Barreiros para ajudar à festa. 

O que também ajuda é o facto de serem quatro os prédios que rodeiam o largo, com varandas e janelas a darem umas para as outras. O encontro diário — e à distância — reforça o sentido de comunidade: "Isto vai contribuir significativamente para aumentar a união das pessoas", assegura Sérgio Vieira, um dos moradores do largo. "É engraçado ver as pessoas a despedirem-se. Uma coisa que era impensável há 15 dias."

"Olá, vizinho. Adeus, vizinho. Até amanhã, vizinho", dizem uns aos outros, antes de se recolherem nas suas casas, à espera das 22 horas do dia seguinte. 

Sugerir correcção