Mercado livre do gás natural ganhou 3600 clientes em Fevereiro

A Endesa garantiu metade dos clientes que trocaram de comercializador em Fevereiro, mas a Goldenergy conseguiu 85% da quantidade de gás abastecida que mudou de carteira.

Foto
A EDP domina o mercado em número de clientes e a Galp lidera em quantidade abastecida Nelson Garrido

O mercado liberalizado do gás natural ganhou mais 3672 clientes em Fevereiro, totalizando 1,253 milhões de clientes, anunciou esta sexta-feira a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

Face a Janeiro, este número de novos clientes representa um crescimento de apenas 0,3%. Na comparação com Fevereiro de 2019, o aumento foi de 4,1%, mas a ERSE nota que desde esse período houve uma desaceleração na passagem de clientes para o mercado livre, onde resistem principalmente famílias e pequenas e médias empresas.

A EDP é a comercializadora que regista a maior quota de clientes (tem 53% do mercado, pese a queda de 2,2 pontos percentuais relativamente a Fevereiro de 2019).

“A Galp (24%) e a Goldenergy (11%), comercializadoras com a segunda e a terceira maior quota em número de clientes”, mantiveram as suas posições face a Janeiro.

A Galp é a empresa com maior quota de consumo (volume de gás natural abastecido), de 60% (apesar de uma redução de 1,2 pontos em Fevereiro), seguindo-se Endesa (11,5%) e EDP (11,2%).

Em Fevereiro, todos os segmentos de clientes apresentaram um aumento de consumo face a Janeiro, segundo a entidade reguladora.

Endesa conquista mais clientes

Já na troca de comercializador dentro do mercado livre, a ERSE assinala que a Endesa foi a empresa que captou mais clientes em Fevereiro – ganhou 51% do número de clientes que mudou de comercializador.

Destacaram-se ainda a Galp, com um ganho líquido (saldo entre os clientes que perdeu e os que conseguiu) de cerca de 22%, Iberdrola, com 13%, e Goldenergy, com 11%.

A Goldenergy foi a empresa que conseguiu mais quota em consumo (captando cerca de 85% do volume de gás que mudou de carteira de comercializador), seguindo-se Iberdrola e Douro Gás Natural com 6,1% e 5,2%, respectivamente.

O mercado liberalizado representa já 97% do consumo de gás natural no segmento convencional (aquele que se dirige às empresas e famílias e não à produção de electricidade), pelo que os poucos clientes que ainda restam no mercado regulado (260 mil clientes, de um total que ronda os 1,513 milhões) são, na sua maioria, clientes residenciais ou pequenos negócios, restando muito pouca indústria.

Para os clientes domésticos, a ERSE propôs esta semana uma descida nas tarifas reguladas de 3,3%, a partir de Outubro. Esta semana ficou a saber-se que as tarifas transitórias para os clientes residenciais só vão extinguir-se em 2025.

O gás de botija ainda é opção para 2,6 milhões de famílias portuguesas.