Corona Party: Bar fez festa com coronavírus e a polémica já é viral

O Esplanada & Bar 75, em Vila Maior, Santa Maria da Feira, anunciou a festa com um propósito: para que “estejas preparado para uma contaminação”.

Fotogaleria
Mosaico das imagens Corona Party, partilhadas pelo bar no Instagram Esplanada Bar 75
Fotogaleria
Mosaico das imagens Corona Party, partilhadas pelo bar no Instagram Esplanada Bar 75
Fotogaleria
Imagens da Corona Party, partilhadas pelo bar nas redes sociais Esplanada Bar 75
Fotogaleria
Imagens da Corona Party, partilhadas pelo bar nas redes sociais Esplanada Bar 75
Fotogaleria
Imagens da Corona Party, partilhadas pelo bar nas redes sociais Esplanada Bar 75
Fotogaleria
Imagens da Corona Party, partilhadas pelo bar nas redes sociais Esplanada Bar 75

“Corona Party Sab 07 Março na Esplanada Bar 75 com o DJ Pedro Sousa, vamos oferecer máscaras à entrada para que estejas preparado para uma contaminação”.

Foi assim que o Esplanada & Bar 75, em Vila Maior, concelho de Santa Maria da Feira, promoveu a sua festa temática do último sábado. Uma festa muito especial e ambientada no mais omnipresente dos temas: o novo coronavírus, no caso utilizando o diminutivo que mais aproxima o vírus dos bares, “corona, como a marca da cerveja.

Foto
Imagem de promoção da festa Esplana Bar 75

O bar partilhou nas suas redes sociais, Instagram e Facebook, as fotos da festa, às dezenas, e a polémica não se fez esperar. Nas imagens podem ver-se centenas de clientes com máscaras, placas informativas oficiais das recomendações de como actuar com a covid-19, até um “paciente” numa maca. 

Numa das imagens lê-se uma placa com as “normas de acesso ao estabelecimento”, que impõem o “uso obrigatório de máscara”.

Ao longo do Facebook e Instagram, são muitos os rostos sorridentes nos retratos típicos que estas festas costumam captar e exibir. A diferença está que neste Carnaval a máscara é sempre uma máscara de protecção hospitalar. 

Isto porque o propósito, segundo adiantou o proprietário, era mesmo passar informação sobre o surto e a doença e oferecer máscaras clínicas aos clientes. Rui Guedes diz até ao jornal N, num artigo sobre a festa, que aborda já a polémica, que as máscaras “foram difíceis de arranjar face à ruptura de stocks”. 

“Mas conseguimos oferecer 200 máscaras e alguma informação sobre a covid-19, presente num flyer. De forma lúdica, comercial e nada alarmista, sinto que até fizemos um trabalho altruísta e de carácter social”, diz o empresário à publicação, num artigo que o próprio bar partilhou no Facebook e em que reconhece estar ciente deque iriam ser “muito criticados” nas redes. O que se concretizou: nos posts da festa, as críticas sucedem-se.

“Nota-se alguma falta de informação na sociedade e pior do que isso, alguma ‘desinformação’. Por essa razão quisemos ser diferentes e ser parte da solução”, remata.

Esta semana, a escola secundária de Santa Maria da Feira foi encerrada, após uma aluna ter sido identificada como um possível caso de infecção. Já depois de o estabelecimento de ensino ter sido fechado, foi confirmada a infecção por covid-19 da rapariga de 17 anos, que se encontra internada no Hospital de São João, no Porto.