Coronavírus: suspensos voos para Itália e eventos com milhares de pessoas em Portugal

Plano de contingência prevê duplicação do número de médicos e enfermeiros quando houver muitos casos de internamento e admite uso de máscaras por pessoas sem sintomas numa fase mais tardia. Há 39 casos de infecção confirmados.

Doença de coronavírus 2019
Foto
Há 39 casos de infecção confirmados em Portugal LUSA/MANUEL DE ALMEIDA

O Plano Nacional de Preparação e Resposta à Doença por novo coronavírus (covid-19) prevê que as autoridades de saúde possam ordenar o “isolamento coercivo" de casos suspeitos e confirmados de infecção em “situações extremas”, se o doente se recusar. As situações de isolamento que “ocorram fora de um contexto de declaração do estado de emergência” devem, porém, estar “previstas e tipificadas”, sublinham os especialistas que assinam este documento com a estratégia nacional de resposta à epidemia, em que se preconiza a duplicação do número de médicos, enfermeiros e assistentes operacionais quando o número de casos em que seja necessário internamento hospitalar for elevado.

Assinado por vários especialistas, o plano de contingência foi divulgado esta segunda-feira pela Direcção-Geral da Saúde (DGS), que o coordena, numa altura em que são já 39 os casos de infecção confirmados, e em que foi alterada a definição de caso suspeito, passando a estar incluídas e com possibilidade de serem testadas pessoas com graves doenças respiratórias, mesmo sem que se saiba a causa.

Governo decidiu, entretanto, suspender os voos com destino ou origem nas zonas mais afectadas pela epidemia em Itália, e recomendou a suspensão de eventos em espaços abertos com mais de cinco mil pessoas e de eventos à porta fechada com mais de mil participantes, além dos que reúnam mais de 150 pessoas nos concelhos onde há clusters de covid-19, como é o caso de Felgueiras e de Lousada. As medidas vigoram até 3 de Abril, segundo a ministra da Saúde citada pela Lusa.

São orientações que vão sendo conhecidas à medida que aumenta o número de infectados no país, o que obriga a activar mais hospitais e reforçar o stock de equipamentos de protecção individual. Esta última medida não está, porém, a revelar-se fácil, como admitiu a directora-geral da Saúde na conferência de imprensa que serviu para fazer o balanço da evolução da epidemia em Portugal.

Referindo-se aos concursos para a aquisição de equipamento de protecção individual anunciados no passado dia 5 pela Administração Regional de Saúde do Norte, Graça Freitas revelou que Portugal não está a conseguir adquirir todo o material que tem requisitado. “Há empresas que têm o material esgotado”, justificou na conferência de imprensa em que foi feito o balanço da epidemia em Portugal.

Reserva estratégica de medicamentos

No plano de contingência nacional, um documento com 80 páginas, está prevista a constituição de uma reserva estratégica de medicamentos e de dispositivos médicos que será armazenada no Laboratório Militar de Produtos Químicas e Farmacêuticos e gerida por uma Comissão de Gestão da Reserva, que ainda vai ser criada por despacho.

Também se preconiza a formação e treino dos profissionais dos diferentes sectores, com a realização de simulacros, sublinhando-se que as medidas a adoptar vão ser determinadas em função da evolução da situação e tendo em conta cada uma das fases de resposta à epidemia – após a fase de preparação, a de contenção, em que existem apenas casos importados, seguindo-se a fase de contenção alargada, quando há já cadeias secundárias de transmissão na Europa. Portugal encontra-se neste momento nesta fase. Segue-se a fase de mitigação, em que existe transmissão comunitária disseminada e o número de casos é já muito elevado.

Nesta última fase admite-se “condicionalmente” o uso de máscaras de protecção por pessoas sem sintomas mas com susceptibilidade acrescida em “grandes aglomerados populacionais ou de frequência de serviços de saúde” e por “cuidadores de indivíduos doentes no domicílio”, apesar de “não existir evidência que comprove a redução da propagação da infecção” da utilização de máscaras nestas situações.

Nesta fase pode igualmente ser ponderado o rastreio na admissão hospitalar ou a visitantes, aconselham os especialistas. Mas isto mesmo já está a ser feito actualmente em muitos hospitais do país.

Mais médicos , enfermeiros e assistentes operacionais

O encerramento de escolas é também equacionado, mas os especialistas aludem a medidas menos radicais que passam, por exemplo, pela redução do tamanho das turmas e pelo aumento do espaço entre alunos.

De igual forma o isolamento de locais de trabalho pode "ser contemplado em epidemias de gravidade extrema”, ainda que as medidas aconselhadas nas fases preliminares passem por horários de trabalho “flexíveis e desencontrados”, a promoção do trabalho à distância, a maior utilização do correio electrónico ou a teleconferência.

Para dar resposta à necessidade de internar um número elevado de doentes nos hospitais, aconselham os especialistas, será necessário um reforço considerável dos recursos humanos, mais médicos, enfermeiros e assistentes operacionais — 1,5 a duas vezes mais no caso dos adultos e 1,5 vezes mais médicos e três vezes mais enfermeiros e assistentes operacionais no caso das crianças, uma vez que os pais podem estar ausentes por doença. Deve ser ponderado igualmente o recurso a voluntários, lê-se no documento.

Além dos objectivos a atingir em cada área, no plano são elencados os “pontos críticos”. No capítulo sobre as medidas de saúde pública, assumem-se como “pontos críticos” as dificuldades em garantir a aplicação de medidas de prevenção e controlo de infecção em estruturas residenciais fechadas como lares e estabelecimentos prisionais.

Quanto a restrições à entrada de pessoas no país, esta pode ser uma medida “ineficaz que causa profunda disrupção económica e social”, enfatizam. Aos viajantes para áreas afectadas aconselham que reconsiderem viagens não essenciais e, a agentes de viagens, uma eventual mudança temporária das rotas turísticas que integram zonas de risco.

Doente com quadro clínico grave

O total de casos de infecção pelo novo coronavírus (covid-19) em Portugal aumentou esta segunda-feira para 39, mais nove do que no domingo e há uma doente com um quadro clínico mais grave, que se encontra em “vigilância apertada”. O ponto da situação foi feito pelo secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, em conferência de imprensa conjunta com a directora-geral da Saúde. Neste momento, há dez hospitais de referência para receber casos suspeitos e confirmados, entre os quais o de Faro. “À medida que a situação vai evoluindo, são activadas mais unidades e, com a evolução do surto, todos os hospitais poderão estar aptos a receber doentes”, disse o secretário de Estado.

Dos novos infectados, sete estão internados na região Norte e dois em hospitais da região de Lisboa e Vale do Tejo. Havia ainda 67 suspeitos de terem contraído a doença a aguardar resultados dos testes. Existem “à data cadeias de transmissão activas em Portugal”, que têm por base os primeiros casos de infecção, importados de Itália e Espanha, acrescentou o governante.

“Tirando no foco da região Norte, que é um foco mais activo, a situação está relativamente controlada”, assegurou Graça Freitas. “Não temos tido um crescimento desproporcionado e exponencial da doença. As medidas de contenção parecem estar a funcionar”. “Até ao momento estamos tranquilos, o que não quer dizer que amanhã ou dentro de dois ou três dias não possamos estar numa situação semelhante à de Itália. Não sabemos”, salientou ainda.