Berlim soma e segue com Rithy Panh — e dá prémio a Catarina Vasconcelos

À beira do palmarés que se conhecerá ao princípio da noite de sábado, a Berlinale 2020 continua a surpreender. A realizadora portuguesa já não sairá da competição de mãos vazias: a crítica premiou o seu Metamorfose dos Pássaros.

,70º Festival Internacional de Cinema de Berlim
Fotogaleria
Com "Irradiés", Rithy Panh toma os bombardeamentos de Hiroxima e Nagasáqui como “mote” para um ensaio duro, denso, apaixonante, sobre o que aprender com a história DR
70º Festival Internacional de Cinema de Berlim
Fotogaleria
"Irradiés" não é bem um documentário, embora faça recurso a imagens documentais; é um ensaio sobre o mal dr
,70º Festival Internacional de Cinema de Berlim
Fotogaleria
dr

Que bela festa de aniversário está a Berlinale a ter este ano: com o festival já a chegar ao fim (o palmarés conhece-se ao princípio da noite de sábado) e ainda mal refeitos do “choque” Abel Ferrara e da limpidez de Tsai Ming-liang, eis que chega o cambojano Rithy Panh com um dos filmes mais extraordinários da competição oficial. Irradiés não é bem um documentário, embora faça recurso a imagens documentais; é um ensaio sobre o mal, sobre a necessidade de estarmos alerta e de o sabermos reconhecer quando o temos à frente.