O PS faz a festa e o TC apanha Canas

Não podemos deixar que Portugal se transforme num país onde o PS atira os foguetes e faz a festa, para depois ser o Tribunal Constitucional a apanhar Canas. Chumbar Vitalino para juiz do TC é a única coisa decente que o Parlamento pode fazer nesta sexta-feira.

Já vai sendo hora de instituir neste país um respeito mínimo pela independência e dignidade das instituições, e o Tribunal Constitucional (TC) parece-me um excelente sítio para começar. A história do TC não é bonita no que diz respeito à sua independência política. António Vitorino foi juiz do Tribunal Constitucional, de onde saiu directamente para o governo de António Guterres. Rui Pereira foi secretário de Estado do PS com Guterres, coordenador da reforma penal com Sócrates, juiz do TC durante seis semanas em 2007 (a sério), e depois ministro da Administração Interna. Assunção Esteves foi eleita deputada do PSD em 1987, juiz do TC em 1989 e novamente deputada a partir de 2002. Infelizmente, tudo isto aconteceu em Portugal – convém, ao menos, ter consciência de que nada disto se recomenda.