O novo Parque de Acolhimento de Matilhas poderá acolher 50 cães numa área de 500 metros quadrados a céu aberto, equipada com zonas de sombra e abrigo.
Foto
O novo Parque de Acolhimento de Matilhas poderá acolher 50 cães numa área de 500 metros quadrados a céu aberto, equipada com zonas de sombra e abrigo. daniel rocha

Oliveira de Azeméis vai ter parque de matilhas para cães errantes

Estrutura de 500 metros quadrados é uma valência do Canil Intermunicipal e vai servir cinco municípios de Aveiro. Novo equipamento vai acolher cães errantes com comportamentos de grupo mais agressivos.

A Associação de Municípios das Terras de Santa Maria (AMTSM) está a construir em Oliveira de Azeméis um parque de matilhas para acolher cães errantes que desenvolveram comportamentos de grupo mais agressivos, explicaram esta segunda-feira os responsáveis pela estrutura.

Embora localizado em Oliveira de Azeméis, o novo equipamento é uma valência do Canil Intermunicipal e, por isso mesmo, servirá também outros cinco municípios do distrito de Aveiro: Santa Maria da Feira, São João da Madeira, Vale de Cambra, Arouca e Espinho.

“É uma experiência nova para nós e visa atenuar o problema da sobrelotação do canil, permitindo que os grupos de animais que andavam em matilha pela rua possam viver aqui com mais liberdade de movimentos, sem perturbar as populações”, afirmou à Lusa o secretário-geral da AMTSM, Joaquim Santos Costa.

O vereador com a tutela da Protecção Civil, Ambiente e Saúde na Câmara da Feira, Vítor Marques, notou que o investimento de 20 mil euros na criação do novo Parque de Acolhimento de Matilhas é justificado por dois factores, a começar pelo referido facto de que “os cães errantes passam a demonstrar comportamentos muito mais agressivos para com as pessoas quando começam a andar em grupo, acabando muitas vezes por atacar a população”.

A outra justificação na origem da nova estrutura, disposta por 500 metros quadrados a céu aberto e equipada com áreas de sombra e abrigo, é que, “mais cedo ou mais tarde, ela vai ser necessária para dar resposta ao problema do canil ilegal de Canedo”. Vítor Marques referiu-se ao depósito de animais que, criado por particulares numa freguesia no extremo norte de Santa Maria da Feira, acolhe actualmente cerca de 150 cães “num espaço sem quaisquer condições de salubridade” e, após várias queixas por associações e populares, está há vários meses a ser investigado pelo Ministério Público.

“Enquanto o tribunal não emitir uma sentença não podemos fazer nada, mas, mal haja decisão judicial, vamos ter que ir a Canedo recolher os 150 cães e teremos que arranjar espaço para os realojar - não só no parque de matilhas e no canil intermunicipal, que está sempre sobrelotado, mas também em associações de animais”, antecipou o vereador.

No canil estão habitualmente 200 a 250 animais em simultâneo, sendo que o novo Parque de Acolhimento de Matilhas poderá acolher mais 50 cães e será ainda complementado com um centro de quarentena com capacidade para 80 ocupantes em situações de doença contagiosa.

Rui Jardim é um dos veterinários em funções no canil intermunicipal - está nos quadros da Câmara da Feira, mas a escala de serviço do canil é preenchida pelos profissionais das diferentes autarquias que financiam a estrutura - e acredita que o parque de matilhas permitirá “recuperar” alguns dos animais mais agressivos.

“Como os cães têm um comportamento gregário, vão-se juntando em grupo e isso dá-lhes uma força para atacar que não teriam se andassem a circular sozinhos. Pô-los numa cela não ia funcionar, portanto a ideia é que, com abrigo e alimentação, se possam adaptar e tornar-se mais calmos - sempre na expectativa de que um dia possam ser adoptados”, disse o veterinário.

O vereador Vítor Marques defendeu, contudo, que o conjunto das soluções propostas pela AMTSM não conseguirá resolver o “problema sério que o Governo criou aos municípios” com a Lei 27/2016, que classifica de “inoportuna e inadequada” por proibir o abate de animais errantes sem antes impor a todos os proprietários a esterilização dos seus pets e a respectiva identificação por microchip.

“O Governo começou a construir a casa pelo telhado em vez dos alicerces. Se tivesse começado pela esterilização e pelo chip, quando um animal fosse abandonado nós saberíamos quem responsabilizar, mas, da maneira como isto foi feito, as pessoas aproveitaram é para se livrar dos animais antes de haver consequências para os donos”, argumentou o autarca.

O vereador considerou ainda que a disponibilização de “uns ridículos 500 mil euros a nível nacional para apoios à aplicação da nova lei” deixa as autarquias “cheias de trabalho, mas sem meios para fazer face a mais gastos” com recolha de animais, alimentação, colocação de microchip, desparasitação e outros tratamentos.

“Basta ver pelo caso de Santa Maria da Feira: fizemos uma candidatura para criação de um centro veterinário e o Governo contemplou-nos com zero euros”, concluiu Vítor Marques.

Segundo dados da AMTSM, só em 2019 o Canil Intermunicipal das Terras de Santa Maria realizou 391 esterilizações. No mesmo período, houve 291 adopções e, ainda assim, esta semana o canil continuava sobrelotado.