Primeiro caso suspeito de infecção por coronavírus em Portugal

A Direcção-Geral da Saúde enviou um comunicado onde refere que está a ser avaliado um doente regressado da China. É um homem, residente há muitos anos em Portugal. Está em isolamento respiratório no Hospital Curry Cabral, em Lisboa.

Foto
O caso foi enviado para o Hospital Curry Cabral Enric Vives-Rubio

Está a ser avaliado o primeiro caso suspeito de contaminação pelo coronavírus em Portugal, anuncia a Direcção-Geral de Saúde em comunicado. 

“Este doente, regressado hoje da China, onde esteve na cidade de Wuhan (província de Hubei) nos últimos dias, já se encontra sob observação no Hospital de Curry Cabral em Lisboa, Hospital de Referência para estas situações. A sua situação clínica está estável, aguardando-se os resultados das análises laboratoriais em curso, para actualização desta informação”, refere o comunicado assinado pela directora-geral da Saúde, Graça Freitas.

Segundo apurou o PÚBLICO, o caso chegou via Saúde 24. O cidadão aterrou em Lisboa e ligou para a linha do Serviço Nacional de Saúde, tendo sido de imediato encaminhado para o Hospital Curry Cabral, em Lisboa.

Como explicou ao PÚBLICO o director de serviço de infecciologia do Curry Cabral, “há um caso suspeito internado, em isolamento respiratório”. O alerta foi activado uma vez que a sintomatologia era respiratória e o homem “vinha do epicentro da epidemia”, ou seja, da cidade chinesa de Wuhan. Fernando Maltez confirmou que se trata de um homem “residente há muitos anos em Portugal”.

As análises que confirmarão se esta pessoa está ou não infectada com o coronavírus serão feitas no Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (Insa) — que tem o laboratório de referência a nível nacional.

A análise pode ser feita através da sequenciação do genoma do novo coronavírus — e neste caso o resultado demora cerca de uma semana — ou através de testes rápidos, que darão resultados entre cinco a seis horas. O PÚBLICO já confirmou que o Insa já dispõe dos reagentes necessários e por isso será possível realizar os testes rápidos.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros português, através do Portal das Comunidades Portuguesas, aconselha os viajantes a efectuar o registo das suas viagens na aplicação Registo Viajante. Aos portugueses residentes na China, recomenda-se que, caso não o tenham ainda feito, procedam à sua inscrição consular ou à respectiva actualização junto do posto com jurisdição sobre a área de residência.

A DGS também já emitiu recomendações viajantes e o centro de contacto do SNS (808 24 24 24) pode dar esclarecimentos. Na terça-feira passada reuniu com representantes de vários organismos da saúde e tem-se articulado com parceiros internacionais no acompanhamento da situação. A nível nacional a DGS divulgou informação junto dos profissionais de saúde (unidades públicas e privadas) e na Rede Nacional de Autoridades de Saúde e activou os mecanismos de preparação e resposta dos serviços de saúde, nomeadamente nos hospitais de referência para a eventualidade de surgirem casos suspeitos.

Com Ana Maia

Sugerir correcção