Opinião

Bem-vindo ao país sem culpas. Tenha medo

Esta mania de dizer que fazemos tudo bem, mesmo perante evidência de grandes asneiras, é recorrente.

Em Portugal existe o péssimo hábito de ninguém assumir os erros cometidos. Vem isto a propósito de duas notícias desta semana: a condenação do Estado pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos no caso das trágicas praxes do Meco e a auditoria do Tribunal de Contas que critica a forma como a Segurança Social perde dinheiro quando vende imóveis. Em ambos os casos, instituições independentes apontam falhas à atuação do Estado português e a primeira reação dos ministérios é sacudir a água do capote e desvalorizar a independência e qualidade do trabalho dos órgãos que os criticam.