Vaga de assaltos no Campo Grande “não é de agora” e “nada foi feito”

Após o homicídio ocorrido no Campo Grande, a comunidade estudantil anda receosa mas o medo não é de hoje. As Associações de Estudantes pedem soluções às entidades competentes.

Fotogaleria
Sara Palma
Fotogaleria
Sara Palma
Fotogaleria
Sara Palma

A tentativa de assalto, no Campo Grande, que resultou na morte de um jovem de 24 anos, deixou os estudantes da Cidade Universitária ainda mais inseguros do que já se sentiam. O receio não é de agora e há muito que afecta quem circula diariamente pelo jardim do Campo Grande. Os jovens apontam a pouca iluminação e o insuficiente policiamento naquela zona como riscos que podem potenciar o pior. A polícia admitiu aos estudantes que tem havido um grande aumento da criminalidade na zona.

A insegurança “não é de agora, mas nunca nada foi feito”, afirma o presidente da Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Eliezer Coutinho. Já Filipe Gomes, o seu homólogo da Faculdade de Direito, uma das associações que decidiu unir-se pela resolução do problema, admite que “não se pode permitir que as coisas tenham de assumir esta proporção para agir”.

Eliezer Coutinho conta que “são vários os estudantes e pais dos mesmos que, através das redes sociais, dão conta do seu receio”. Um sentimento que se agrava sobretudo agora em época de exames, “quando os estudantes passam mais tempo naquela zona, para estudar até mais tarde”, num espaço onde, no centro do jardim do Campo Grande, está o Caleidoscópio, uma sala de estudo aberta 24h por dia.

No campus, a morte do jovem estudante é “tema recorrente de conversa”, dizem Patrícia e Marta, “sobretudo ao passar por aqui”, junto ao jardim, corroboram Rodrigo, Tomás e João. Os cinco são alunos da Universidade Lusófona, instituição que se encontra de um dos lados do jardim do Campo Grande. É sobre essa zona que as queixas da comunidade estudantil recaem, onde há “pouca iluminação numa zona tão extensa e com zonas muito escuras”, conta Rodrigo da Silva. O raro avistamento de polícia pela zona é outra das críticas. 

Apesar disso, vários estudantes sublinham que ultimamente as patrulhas são mais regulares. “Ontem, estava no Minicampus e, num espaço de uma hora, passaram cerca de seis motas da polícia”, conta Marco Moniz. Porém, o estudante acredita que esta atenção “é algo provisória”, provocada pelo mediatismo do acontecimento.

O acontecimento tem tido impacto nas vidas dos alunos universitários. Muitos afirmam que, devido a algum receio e preocupação dos familiares, procuram alterar certas rotinas de modo a serem mais cautelosos. Rodrigo da Silva diz que “evita sair ou andar sozinho durante a noite” na zona do jardim do Campo Grande, principalmente. Um cuidado partilhado também por Marta e Patrícia que revelam ter acordado o mesmo com os colegas “para que ninguém tivesse de andar por ali sem companhia”. Já noutro grupo de estudantes, Patrícia Morais, aluna da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa - a mesma da vítima - refere também que agora prefere e faz questão de “estacionar o carro sempre em zonas mais visíveis”, ainda que isso implique o pagamento de parquímetro.

Alunos querem mais policiamento

As associações de estudantes reforçam que “os alunos querem alterar a situação porque o incidente não foi um caso isolado” e para isso entraram em contacto com a polícia da zona de Alvalade. A resposta, segundo Eliezer Coutinho, é que apesar de a polícia também querer fazer mais, escasseiam os recursos. “Muitas vezes só estão dois durante a noite, que estão a prestar apoio a outra esquadra, o que prejudica o policiamento efectivo de uma zona extensa como a do campus, que também tem uma vida nocturna”, refere o aluno.

Na reunião com as forças de segurança, Filipe Gomes diz que todos concordaram sobre a importância da iluminação. “Pode ser um factor dissuasor e de fácil resolução, que nos permite também a nós, cidadãos, ter um maior raio de visão durante a noite”. Os dois presidentes das associações de estudantes reforçaram ainda que, de acordo com as forças policiais, “tem havido um aumento exponencial de furtos e assaltos, tanto a carros como a pessoas, em Alvalade e na Cidade Universitária, em particular”.

Na sequência dos acontecimentos, as associações de estudantes publicaram um comunicado e acreditam que devem “continuar com esta demanda até que se apresentem soluções”. O reitor de Universidade de Lisboa e a Câmara Municipal de Lisboa também já aceitaram reunir com as associações de estudantes para debater o problema.

Texto editado por Pedro Sales Dias

Sugerir correcção