Há uma conversa entre o cérebro e o sistema imunitário que afecta a memória

Experiências com ratinhos confirmaram que existem células imunitárias que vivem no cérebro (nas meninges) e que estes linfócitos produzem uma molécula que influencia a memória a curto prazo.

Foto
Valerie Altounian

Uma equipa de investigadores em Portugal que juntou imunologistas e neurocientistas encontrou uma inesperada ligação entre o cérebro e o sistema imunitário. O estudo, publicado na revista Science Immunology, revela que foram detectadas, pela primeira vez, células do sistema imunitário numa região do cérebro específica, as meninges. E, concluíram ainda, a presença dessas células, mais precisamente da molécula que produzem, influencia a memória a curto prazo. Em aberto, fica a hipótese de influenciar muitas outras coisas.