Migração da TDT? 5G? O que é que isso tem a ver com a minha televisão?

Um parte dos consumidores, nomeadamente os que apenas recebem canais de televisão gratuitos, vão ter de sincronizar os seus televisores, mas não precisam de comprar novos equipamentos, nem pagar pelo serviço.

Foto
A Anacom “alerta os utilizadores da TDT no sentido de estarem atentos e denunciarem quaisquer tentativas de terceiros de os induzir a fazer a aquisição de equipamentos ou a adesão a serviços de televisão paga" PAULO PIMENTA

Cerca de 500 mil consumidores vão ter de alterar a sincronização do seu televisor ou da box para poder continuar a ter acesso aos canais RTP1, RTP2, RTP3, RTP Memória, SIC, TVI e Canal Parlamento. Não precisam de comprar novos equipamentos de televisão, antenas ou box, mas apenas ajustar os que têm, um processo que começou a ser testado esta quarta-feira em Odivelas Centro, em Lisboa, e vai estender-se, gradualmente, a todo o país.

Também não é preciso subscrever serviços de televisão paga (pacotes de televisão), já que vão continuar a poder ver os canais referidos gratuitamente. Para uma parte substancial dos consumidores que já utiliza a televisão digital terrestre (TDT), não haverá qualquer alteração.

Tecnicamente, o que está em causa é a alteração das frequências dos emissores que utilizam a faixa de frequências 694-790 MHz (“faixa dos 700 MHz”) para novas frequências de emissão, alteração que será feita, a nível nacional, pela Meo, antiga PT.  

A alteração visa libertar a “faixa dos 700 MHz” até 30 de Junho de 2020, para que possam ser disponibilizados os serviços de comunicações electrónicas terrestres sem fios de banda larga, o chamado 5G (quinta geração móvel).

Como garante a Autoridade Nacional das Comunicações (Anacom), a única coisa a fazer quando ficar sem imagem no televisor — com o ecrã negro — é ressintonizar a televisão ou o descodificador TDT. O regulador deste mercado “alerta os utilizadores da TDT no sentido de estarem atentos e denunciarem quaisquer tentativas de terceiros de os induzir a fazer a aquisição de equipamentos ou a adesão a serviços de televisão paga com o argumento fraudulento de que tal seria necessário face à próxima mudança de frequências da TDT”.

Após a realização deste teste piloto em Lisboa, as alterações dos restantes emissores que compõem a rede TDT estão previstas ocorrer no início do próximo ano.

A Anacom disponibiliza uma linha de atendimento gratuita (800 102 002) para esclarecer dúvidas da população e também um conjunto de perguntas e respostas que ajudam a esclarecer eventuais dúvidas.

A ANACOM, e as entidades envolvidas, realizarão um conjunto de iniciativas de divulgação do que está em causa neste processo, entre os quais estará o envio para todas as residências e estabelecimentos comerciais de uma carta e um folheto com toda a informação. Serão disponibilizados outros materiais explicativos e informativos dos passos a seguir para se efectuar a ressintonia, como folhetos, cartazes, mupis e outdoors e vídeos. Serão também serão realizadas sessões de esclarecimento, em ligação com as juntas de freguesias e outras entidades relevantes e disponibilizado um posto móvel de apoio aos cidadãos (situado em locais centrais), para esclarecer dúvidas, entregar folhetos e dar informação sobre a sintonização dos diferentes tipos de aparelhos (televisões e box).