Costa escolheu Carneiro para equilibrar tendências do PS

Líder do PS não aceitou nome proposto pelo “pedronunismo” para suceder a Ana Catarina Mendes como secretária-geral adjunta.

Foto
José Luís Carneiro com António Costa Fernando Veludo

Ao escolher José Luís Carneiro para novo secretário-geral adjunto, o líder do PS, António Costa, equilibrou o poder interno das duas tendências que coexistem entre os socialistas. Uma mais ao centro e moderada, que inclui figuras como o próprio José Luís Carneiro e a sua antecessora no cargo e agora líder parlamentar, Ana Catarina Mendes. E outra mais à esquerda, liderada por Pedro Nuno Santos.