Parlamento tem que eleger 82 representantes para 19 entidades, incluindo Conselho de Estado

Um lugar de juiz para o Tribunal Constitucional, o de presidente do Conselho Económico e Social, toda a Comissão Nacional de Eleições, assim como os representantes nos conselhos superiores da Magistratura, do Ministério Público, de Defesa Nacional, de Segurança Interna, de Informações, estão na lista de eleições a fazer.

Carlos César (PS), Francisco Pinto Balsemão (PSD), Francisco Louçã (BE), Adriano Moreira (CDS) e Domingos Abrantes (PCP) são as cinco personalidades escolhidas em 2015 pelo Parlamento como seus representantes no Conselho de Estado.
Foto
Carlos César (PS), Francisco Pinto Balsemão (PSD), Francisco Louçã (BE), Adriano Moreira (CDS) e Domingos Abrantes (PCP) são as cinco personalidades escolhidas em 2015 pelo Parlamento como seus representantes no Conselho de Estado. Nuno Ferreira Santos

A lista é extensa e inclui actualmente 19 entidades, num total de 82 membros. São as eleições que a Assembleia da República tem para fazer nos próximos meses para escolher os seus representantes em entidades externas, como, por exemplo, cinco elementos para o Conselho de Estado (o órgão de consulta do Presidente da República) que podem ou não ser deputados; sete vogais e três suplentes para o Conselho Superior da Magistratura; cinco membros e três suplentes para o Conselho Superior do Ministério Público; um elemento de cada grupo parlamentar para a Comissão Nacional de Eleições; o presidente do Conselho Económico e Social (que deu longa polémica em 2016, porque o PS queria impor Correia de Campos e o PSD, partido mais votado, defendia ter direito a escolhê-lo); dois deputados para o Conselho Superior de Segurança Interna e também para o Conselho Superior de Defesa Nacional; e ainda quatro deputados (dois membros e dois suplentes) para o Conselho Superior de Informações.