Sasha Havlicek

“As democracias podem ser avaliadas com base no quão bem protegem as suas minorias — não a maioria”

Falando de ódio e de extrema-direita, a especialista britânica em discurso extremista garante que todas as pessoas são susceptíveis ao ódio, que se torna especialmente preocupante quando é “usado como uma arma para mudar sistemas políticos e sociais que reflectem esse ódio”.

Sasha Havlicek na apresentação do documentário no Museu da Tolerância, em Los Angeles
Foto
Sasha Havlicek na apresentação do documentário Why We Hate no Museu da Tolerância, em Los Angeles Amblin Television/Jigsaw Productions

A investigadora britânica Sasha Havlicek é especialista em discurso extremista e é também presidente do think tank Instituto para Diálogo Estratégico (ISD), que fundou há 13 anos. O seu pai trabalhava na antiga Jugoslávia, onde Sasha Havlicek passava grande parte das férias de Verão nos seus tempos de infância e adolescência — e foi precisamente em terreno jugoslavo que viu nos crimes de guerra as consequências reais de um ódio abstracto. Hoje, defende que os partidos de extrema-direita são “bons comunicadores e peritos em explorar as inquietudes” da população, daí que “seja preciso um verdadeiro investimento para lhes fazer frente” — assim como ao discurso de ódio. A investigadora falou ao PÚBLICO em Los Angeles, nos Estados Unidos, durante a apresentação do documentário Why He Hate, saído da mente de Steven Spielberg, sobre a origem e as vivências em torno do ódio.