Dead Combo anunciam fim da banda

“Decidimos acabar, mas acabar em grande. Não é um final triste, há muita coisa para ser celebrada”, anunciou a banda.

,Dead Combo
Foto
DR

Os Dead Combo anunciaram o fim do grupo esta terça-feira. Numa mensagem publicada no Facebook, o duo de Tó Trips e Pedro Gonçalves escreveu: “Decidimos acabar, mas acabar em grande. Não é um final triste, há muita coisa para ser celebrada.”

“De uma forma concreta, acabamos como começámos: os dois. Voltamos aos palcos com uma tour, num passeio pela nossa história. Começará no final de 2019 e acabará em 2020”, diz a mensagem.

“Se o nosso encontro (Tó/Pedro) foi uma descoberta, uma grande amizade, um diálogo musical, um universo que se foi adensando e clarificando; se todos estes anos foram uma grande festa nas nossas vidas, não poderia ser de outra forma o nosso final. Decidimos acabar, mas acabar em grande. Não é um final triste, há muita coisa para ser celebrada.”

Formados em 2003, os Dead Combo lançaram seis álbuns – o mais recente foi Odeon Hotel, lançado em 2018. Começaram por transformar Carlos Paredes em matéria eléctrica, ferrugenta, cruzando-a com a cadência da música dos westerns, mas rapidamente os Dead Combo abriram a sua música a outras músicas – da América do Sul a África (ouça-se Lisboa Mulata).

Em Março, actuaram no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, num concerto elogiado pelo PÚBLICO: “Duo Dead Combo feito banda múltipla, temos então exuberância e candura, luz e sombra, festa e melancolia. Temos rock’n’roll e jazz, rumba e fado, funaná e western. Rumbero, Mr. Eastwood, Lusitânia playboys ou essa Estrela cadente que, extraída das fundações da banda, já parecia conter em si o que os Dead Combo viriam a ser.”