Nelson Garrido
Foto
Nelson Garrido
O Doutor explica as Legislativas

Mensagem para Greta Mortágua e os jovens ridículos que se preocupam com o ambiente

Andámos nós a destruir o planeta e a libertar dióxido de carbono para agora termos estes jovens a quererem implementar socialismo para salvar o planeta. Foi por estes mal-agradecidos que nós criámos um planeta pior.

As eleições legislativas são demasiado importantes para perdermos tempo a discutir temas irrelevantes como alterações climáticas. Mas, esta sexta-feira, um grupo de jovens ignorantes decidiu interromper discussões verdadeiramente fulcrais para o futuro do país, como o caso de Tancos ou a subida do PSD nas sondagens, e fazer uma marcha pelo clima, com a liderança espiritual de uma adolescente sueca. Bons tempos em que os jovens eram inspirados por outros jovens a ingerir cápsulas de Tide ou a fazer o desafio do manequim. Agora são inspirados a mudar o mundo, como se o mundo estivesse mal e precisasse de mudança.

Esta Dra. Greta Mortágua tem 16 anos e, em vez de andar a fazer coisas típicas de 16 anos, como estudar e brincar com o telemóvel, anda a querer fazer política. Um jovem que queira fazer política não faz discursos, nem vai à ONU. Vai para uma juventude partidária, cola cartazes, bate palmas e, se souber obedecer aos adultos, pode eventualmente ir para assessor. Não pode é ter opiniões.

Se a Dra. Greta quer liderar um movimento global, nós, como adversários, temos o dever de a criticar como adulta. Merece todos os memes insultuosos que são feitos com a sua imagem na Internet. É uma menor? Sim. Mas é uma menor que decidiu ser insolente e ter opinião. É uma pena que os pais dela não a tenham protegido para que nós não nos víssemos forçados a ter de a insultar na Internet ou a fazer trocadilhos com o seu nome.

Quanto às crianças que decidiram marchar pelo clima, tenham vergonha. Se nós não as tivéssemos colocado no mundo, elas nem sequer teriam clima para defender. Queixam-se das alterações climáticas, mas, se não fosse o capitalismo, não poderiam usufruir do luxo que é manifestarem-se pela sua sobrevivência.

Andámos nós a destruir o planeta e a libertar dióxido de carbono para agora termos estes jovens a quererem implementar socialismo para salvar o planeta. Foi por estes mal-agradecidos que nós criámos um planeta pior. Em vez de nos agradecerem por termos utilizado recursos e adiado eventuais soluções para as alterações climáticas pelo bem-estar deles, temos de aturar protestos. Há crianças em países do terceiro mundo a produzir os telemóveis que eles utilizam para divulgar imagens dos cartazes ridículos deles, que, já agora, são feitos em cartão. Sabem de onde vem o cartão? Das árvores, seus hipócritas. Sabem o que salva árvores? O capitalismo e os tablets que crianças da vossa idade andam a produzir em fábricas e que não podem protestar pelo ambiente. E, já agora, queixam-se da libertação de dióxido de carbono, mas sabem o que é que liberta dióxido de carbono? Vocês! Se conseguirem deixar de expirar dióxido de carbono, podem protestar. Até lá deixem de ser hipócritas. Se vocês têm direito a libertar dióxido de carbono, a Exxon Mobil também tem. Julgam que são mais que uma corporação? Uma corporação pelo menos cria empregos. O que é que vocês fazem? Comem cereais enquanto vêm vídeos no YouTube?

Não lêem o Dr. Zé Diogo Quintela? Vocês podem perfeitamente ter uma opinião diferente da comunidade científica. Ninguém vos obriga a estarem preocupados com o ambiente. Vão gozar a vida e abrir franchises de padarias. Até porque, se a comunidade científica estiver certa, vocês podem nem sobreviver até à idade adulta. Sabem que, enquanto protestam, há jovens da vossa idade na Índia a aprender programação e matemática avançada? Eles vivem no mesmo planeta e não estão preocupados. Estão felizes, ao contrário de vocês.

Greves pelo clima? É assim que querem arranjar empregos no futuro? Sabem qual é a melhor competência que o mercado procura? Capacidade de adaptação. Eles querem jovens que aceitem a realidade como ela é e que se adaptem a ela. Não querem jovens que querem mudar as coisas. Um bom colaborador não faz greves para mudar as coisas. Olha para a situação e procura ser o mais produtivo possível em função dessa situação. É por isso que vocês vão ser praxados quando chegarem à universidade. Os vossos colegas da praxe vão arrancar a rebeldia de dentro de vocês aos gritos e tornar-vos preparados para, com sorte, serem colaboradores das empresas de sucesso contra as quais protestaram ontem. Deixem os adultos resolver os assuntos e não nos chateiem. Cumprem a vossa função, que é estudar e aceitar sem questionar a opinião dos adultos. Podemos estar a destruir o planeta, mas sabemos o que estamos a fazer.

Caso a comunidade científica que estuda e analisa o clima esteja certa, o que é pouco provável, serão os jovens que vão sofrer mais com as alterações climáticas, visto que vão ter de viver mais tempo num planeta inabitável. Em vez de estarem a chorar com pena do planeta e a defender regulações que limitam o capitalismo e o mercado livre, podiam ser empreendedores e descobrir novos planetas. Se a sobrevivência do capitalismo depender do fim do planeta, temos de aceitar. É preferível acabar a vida na Terra do que ter de aceitar medidas socialistas para o planeta continuar a existir. Pessoalmente, prefiro não existir do que viver no socialismo que exige à indústria petrolífera que deixe de extrair petróleo. Os dinossauros morreram para que nós os pudéssemos utilizar para fazer andar os nossos carros. Sempre que enchemos o depósito estamos a homenagear um pequeno velociraptor em decomposição. Ao deixar de queimar combustíveis fósseis só para controlar emissões de dióxido de carbono, estamos a dizer aos dinossauros que a extinção deles foi em vão. É uma falta de respeito para com os mortos. Se tivermos de nos extinguir para os honrar, qual é o problema?

Dizem que não há um planeta B. Como é que sabem? Em vez de andarem a querer gastar dinheiro num Green New Deal ou a taxar grandes fortunas, deixem o capitalismo funcionar. Se houver solução para as alterações climáticas, ela está no mercado livre. E pode muito bem haver um planeta B. A maior esperança da humanidade é o Dr. Jeff Bezos realizar o seu sonho de construir uma nave espacial e enviar-se para o espaço com um bidão do seu sémen e milhares de óvulos para inseminar, garantindo, assim, que a Humanidade não acaba. O planeta B pode ser muito melhor do que o planeta A porque vai ter o Dr. Jeff Bezos como o novo Dr. Adão. A Amazónia antiga pode desaparecer e, com ela, a vida na Terra. Seria poético se fosse a nova Amazónia, a Amazon, a garantir a sobrevivência da Humanidade através do sémen do seu CEO e fundador.