Rio alerta que distanciamento entre PS e BE “dá jeito para as eleições”

Presidente do PSD não acredita na genuidade do afastamento dos socialistas do Bloco de Esquerda. “É para limpar os últimos quatro anos”, acusa.

,SIC Notícias
Foto
Rui Rio durante o passeio de biciclenta na manhã deste domingo LUSA/FERNANDO VELUDO

O líder do PSD alertou este domingo para o distanciamento do PS em relação ao BE, porque “dá jeito para as eleições”, notando ser uma tentativa de “limpar” a proximidade dos últimos quatro anos e eventuais aproximações futuras.

“A distância do PS que tenho notado não é nas sondagens, é a distância relativamente ao BE, que é uma coisa que custa a entender. Enquanto foi útil para o PS, o PS andou quatro anos com o BE ao colo, e o BE com o PS ao colo. Agora, como dá jeito nas eleições fazer uma demarcação do BE, [o PS] faz a demarcação. A 6 de Outubro [data das legislativas], se precisar, volta a chegar-se ao BE”, criticou Rui Rio no Porto, em declarações aos jornalistas após um percurso de bicicleta e antes de uma caminhada para assinalar o Dia Europeu Sem Carros.

Questionado sobre se se trata de um distanciamento útil, o líder do PSD respondeu “obviamente”, observando que o PS, “depois de ter estado encostado à esquerda durante quatro anos, e de voltar a encostar-se se precisar, quer durante o período eleitoral afastar-se para tentar limpar esse aspecto”.

Quanto a uma eventual aproximação à direita e ao PSD, Rio disse prontamente aos jornalistas: “Só se encostam se eu deixar”. “Se eu sair para o lado, eles caem ao chão”, afirmou.

Confrontado com a sondagem divulgada este domingo, que aponta ao PSD uma subida de três pontos percentuais nos resultados eleitorais, o líder do PSD lembrou que não confia nelas, pelo que os valores que elas apontam lhe são “indiferentes”. “Tanto me faz ter mais um bocadinho ou menos um bocadinho. É irrelevante. Tenho de continuar a campanha e chegar a 6 de Outubro e ter o melhor resultado possível que é ganhar, começando já hoje com os resultados [das eleições regionais] na Madeira”, observou.

Relativamente ao passeio de bicicleta, que fez entre a Casa da Música (na rotunda da Boavista) e o Castelo do Queijo, junto ao mar, o líder do PSD lembrou que “hoje é o dia Europeu sem carros, dedicado a uma mobilidade mais saudável”, pelo que optou por uma alternativa ao transporte público, em “alguns casos poluente” e ao transporte privado.

Tratou-se de uma acção simbólica e um apelo à mobilização “para transformar a mobilidade na cidade e pelo combate pela descarbonização da sociedade e da economia”, disse, já perto do Parque da Cidade, ao som da música “Nós somos um rio, que não vai parar”, uma tema que usa desde os tempos das eleições à presidência da Câmara do Porto, onde esteve durante 13 anos. “Nós somos um rio que não vai parar” tem letra de Manuel Dias Loureiro e música de José Calvário, e foi o hino de campanha das duas primeiras vitórias de Cavaco Silva, em 1985 e 1987.

Questionado sobre o programa do PSD para a mobilidade, Rio observou que aquilo que tem “vindo a dizer, e os outros partidos também, é que é uma obrigação de todos lutar pelo combate contra ao aquecimento global e às alterações climáticas”.

“O que simboliza esta atitude [percurso de bicicleta e a pé] é que temos de defender o ambiente porque é o planeta que vamos defender para as gerações seguintes. Não temos o direito de não lutar por um planeta equilibrado”, justificou.