Foto

Megafone

Um dia vamos querer votar e vão dizer que não podemos

Quando grande parte dos cidadãos não exerce o seu direito a voto, corremos o risco de desnaturalizar pouco a pouco o sentido da democracia, até ao dia em que vamos querer votar, e para nossa surpresa, nos vão dizer que não podemos.

A indiferença não constrói hospitais, não cria empregos e não combate as alterações climáticas. Mas tendo em conta as eleições europeias celebradas no dia 26 de Maio, a grande maioria dos portugueses parece estar convencida do contrário. Enquanto as hostes nacionalistas comandadas por Salvini agitavam a bandeira do medo, os migrantes se afogavam no Mediterrâneo e os jovens gritavam nas ruas pelo direito a um planeta habitável, 69% dos portugueses ficavam em silêncio sobre que Europa vale a pena construir.

No dia 6 de Outubro os eleitores têm um novo encontro marcado com o seu futuro. E tendo em conta o quadro político que se vive em Portugal, e a qualidade da anterior campanha eleitoral, não seria de estranhar que apenas 55% dos portugueses optassem por exercer o seu direito a voto. Se isso acontecer, temos razões para nos preocupar. Tal como é impossível ser livre sem imaginar a liberdade, é impossível viver num país melhor sem ser capaz de imaginar que país queremos.

Os portugueses que não votam desconhecem certamente o quão frágil e excepcional é o sistema político no qual não participam, mas do qual se beneficiam. A democracia fundamenta-se na ideia que todos dispomos do mesmo direito a decidir como vivemos em conjunto e a ver respeitada a nossa dignidade como seres humanos. Mas para que a democracia seja mais que um ideal, a mesma exige humildade e razoabilidade. A primeira implica reconhecer que no que diz respeito a viver em conjunto, temos muito a aprender uns com os outros. A segunda implica reconhecer que não existe uma única concepção racional do que é uma boa vida, nem logicamente, uma instituição política que a veicule. Portanto, enquanto a missão do Estado é proteger os direitos e a liberdades dos seus cidadãos, permanecendo neutral em relação aos diferentes valores daqueles que o conformam, a missão dos cidadãos é garantir que antepõem a obrigação de ser razoáveis à sua ideologia.

Este exercício não é nem fácil nem natural. Mas é o preço a pagar por viver em harmonia com os nossos vizinhos e conciliar o facto que num sistema democrático a verdade é importante, mas ninguém tem direito a determinar qual é o conteúdo último da mesma. Infelizmente, há muitos cidadãos que já não estão interessados em honrar este compromisso. Alguns deles, como o presidente dos Estados Unidos, pretendem construir muros em vez de pontes, minando activamente o pluralismo. Outros abdicam do seu direito a votar, alheando-se do futuro do seu país e do bem-estar dos seus concidadãos.

Contrariar esta tendência é essencial, tanto se queremos proteger as nossas democracias daqueles que as tentam destruir desde dentro, como se queremos evitar que as mesmas se transformem em câmaras de eco. Uma democracia não pode funcionar sem uma opinião pública forte, alimentada por meios de comunicação que informem e contextualizem, que sejam capazes não só de entreter, mas sobretudo de enriquecer o debate público. Também dificilmente resistirá às campanhas políticas, hoje pouco mais do que eventos publicitários, onde se privilegia o tribalismo e a ambiguidade. Identificar problemas, apresentar soluções e procurar consensos tornou-se num erro de cálculo pronto a ser desmontado por una nova estirpe de especialistas, mais interessados em racionalizar opiniões do que em contribuir para uma troca genuína de ideias.

Mas sobretudo, uma democracia não pode funcionar sem os seus cidadãos. Os portugueses devem ser conscientes de que a democracia avança e retrocede e que muitas vezes colapsa. Umas vezes de forma violenta e rápida, outras vezes de forma subtil e gradual. Quando grande parte dos cidadãos não exerce o seu direito a voto, corremos o risco de desnaturalizar pouco a pouco o sentido da democracia, até ao dia em que vamos querer votar, e para nossa surpresa, nos vão dizer que não podemos.