Herman José recorda Roberto Leal como um “excelente profissional”

Multiplicam-se as homenagens públicas de quem conheceu o cantor português que morreu este domingo aos 67 anos.

Foto
Nuno Ferreira Santos

O cantor e humorista Herman José recordou o cantor Roberto Leal como um “excelente profissional” que “fez muito por Portugal no Brasil”.

“Além de ser um excelente profissional, perdeu-se um extraordinário ser humano”, afirmou à agência Lusa Herman José, para quem a morte de Roberto Leal “não foi uma surpresa”, face à luta que travava contra o cancro, que descobriu em Portugal. Tinha uma “agudíssima maneira de gerir a sua carreira e só assim conseguir conquistar o mercado brasileiro”, disse. “Era um colega de excepção, sempre bem disposto e bom amigo”, acrescentou.

Roberto Leal, recordou, “fez muito por Portugal no Brasil ao apresentar-se como embaixador da cultura portuguesa”.

À RTP, o humorista Bruno Nogueira, que trabalhou com Roberto Leal no programa do canal público O Último a Sair, referiu que o cantor era “muito generoso, muito inteligente e com muito sentido de humor”, a ponto de brincar com a religião, apesar de ser católico. “Ele tinha vontade de mostrar a personalidade muito para além da imagem” que o seu público tinha dele.

Nas redes sociais, o apresentador Manuel Luís Goucha lembrou que o recebeu “imensas vezes” nos seus programas, a última das quais em Janeiro deste ano, quando “teve a gentileza de vir propositadamente a Portugal para estar no Você na TV”. De Roberto Leal recordou a sua “gentileza e alegria”.

“Nalguns dos momentos mais significativos da vida, estive ao seu lado. Nalguns dos momentos mais emotivos da minha carreira, esteve comigo”, lembrou na sua conta do Instagram a apresentadora Fátima Lopes, que destacou a emissão dedicada à trasladação do corpo da Irmã Lúcia.

“Ficamos sempre mais pobres quando perdemos um amigo. Partiu um homem bom”, escreveu o apresentador António Sala, na sua conta de Facebook.

Já a apresentadora Rita Ferro Rodrigues recordou o cantor como uma pessoa “amorosa, educada, sensível e divertida”.

Também no Facebook, a escritora Alice Vieira contou quando conheceu em Sintra o cantor, que disse ser uma pessoa “simpática, amável” e que “nunca se armou em vedeta”.

Sugerir correcção