O <i>Treetop Walk</i>
Foto
O Treetop Walk Nelson Garrido
Reportagem

O novo passadiço de Serralves não contorna as críticas sobre quem o pagou

São 260 metros de caminho quase a tocar na copa das árvores. Serralves elevou o parque, mas a afectação de recursos do Fundo Ambiental Português para a construção de uma “atracção turística” não é consensual.

O passadiço trepa as copas de pinheiros e cedros e protege-se na sombra dos eucaliptos, que se impõem para além dos 15 metros que o percurso atinge (25 metros em relação ao lago). Ao mesmo nível dos ramos onde as aves costumam pousar, estamos não “no meio do verde, como se costuma dizer, mas no meio dos verdes”, observa Carlos Castanheira, o arquitecto responsável pelo novo Treetop Walk que serpenteia um dos bosques do parque de Serralves, no Porto, projectado em colaboração com Álvaro Siza. No Outono, quando os castanheiros à nossa volta começarem a perder as folhas, o caminho já vai percorrer “vistas e cores diferentes” das várias tonalidades de verde que vai mostrar quando abrir ao público a 14 de Setembro, com entrada gratuita durante todo este sábado.

“Eu espero que isto possa ser respirado pelas pessoas para que reflictam também no que nos leva, hoje em dia, a construir este tipo de meios para nos tornarmos mais próximos da natureza, já que efectivamente estamos cada vez mais desenraizados destes espaços”, antecipa Mariana Roldão, coordenadora do Serviço Educativo do parque. “O grande privilégio é dar a oportunidade de conhecer o parque de uma nova perspectiva. E é muito interessante porque tudo ganha uma dimensão de grandiosidade”, nota.

PÚBLICO - Sobre o lago, o novo passadiço do parque de Serralves, no Porto, atinge os 25 metros de altura.
Sobre o lago, o novo passadiço do parque de Serralves, no Porto, atinge os 25 metros de altura. Nelson Garrido
PÚBLICO - O <i>Treettop Walk</i> é feito com madeira reciclada de incendios e obras, uma preocupação que veio com o apoio do Fundo Ambiental.
O Treettop Walk é feito com madeira reciclada de incendios e obras, uma preocupação que veio com o apoio do Fundo Ambiental. Nelson Garrido
PÚBLICO - A Administração de Serralves não divulga o valor total do projecto, apoiado com 750 mil euros do Fundo Ambiental.
A Administração de Serralves não divulga o valor total do projecto, apoiado com 750 mil euros do Fundo Ambiental. Nelson Garrido
PÚBLICO - São 260 metros de percurso horizontal, acessível a pessoas com mobilidade condicionada.
São 260 metros de percurso horizontal, acessível a pessoas com mobilidade condicionada. Nelson Garrido
PÚBLICO - Nenhuma árvore foi abatida para construir o caminho que se adapta à topografia e à mata.
Nenhuma árvore foi abatida para construir o caminho que se adapta à topografia e à mata. Nelson Garrido
PÚBLICO - “O grande privilégio é dar a oportunidade de conhecer o parque de uma nova perspectiva", diz a responsável pelo serviço educativo, Mariana Roldão.
“O grande privilégio é dar a oportunidade de conhecer o parque de uma nova perspectiva", diz a responsável pelo serviço educativo, Mariana Roldão. Nelson Garrido
PÚBLICO - “É para mim completamente estranho ir buscar dinheiro ao Fundo Ambiental para financiar turismo”, contesta o arquitecto paisagista Henrique Pereira dos Santos.
“É para mim completamente estranho ir buscar dinheiro ao Fundo Ambiental para financiar turismo”, contesta o arquitecto paisagista Henrique Pereira dos Santos. Nelson Garrido
PÚBLICO - O caminho pela copa das árvores abre ao público a 14 de Setembro, sábado, gratuitamente. Depois, a entrada é paga e inclui o acesso ao resto do parque (dez euros)
O caminho pela copa das árvores abre ao público a 14 de Setembro, sábado, gratuitamente. Depois, a entrada é paga e inclui o acesso ao resto do parque (dez euros) Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido

Mas há quem desconfie do “carácter educativo” do que denominam “um capricho da moda” construído com o apoio de 750 mil euros do Fundo Ambiental do Estado Português, sem ter havido um concurso. “É para mim completamente estranho ir buscar dinheiro ao Fundo Ambiental, que deveria ser um fundo para pagar os serviços ambientais prestados por pessoas e instituições que não dão lucro, mas que são úteis a todos, para financiar turismo”, contesta o arquitecto paisagista Henrique Pereira dos Santos. “O que está a ser feito é um investimento que visa aumentar a atractividade turística de Serralves”, “aumentando a concentração” e diminuindo os apoios a “quem está a fazer a gestão de combustíveis, de fogo, a gestão da biodiversidade sem recursos”, acredita. Também Nuno Oliveira, presidente do Fundo para a Protecção dos Animais Selvagens (FAPAS) discorda da afectação de recursos do fundo gerido pelo Ministério do Ambiente para “uma actividade lúdica” que, na sua opinião, “nada tem a ver com o ambiente”. “Também não vislumbro que interesse educativo possa ter”, diz.

Para o ministério, o “projecto insere-se nos objectivos específicos do Fundo Ambiental pois promove a relação com a natureza através de novos e diferentes formatos de fruição, que permitem uma abordagem diferente e inovadora, e ainda ao fomentar a sensibilização ambiental e do respeito pela conservação da natureza/património natural e dinamizar actividades educativas e de investigação científica”. A Administração de Serralves não divulga o investimento total do Treetop Walk

PÚBLICO -
"A forma é um pouco dada à pre-existência do conjunto arbóreo", diz o arquitecto Carlos Castanheira. Nelson Garrido

O passadiço de madeira de 260 metros pode ser visitado de forma autónoma (mediante o pagamento de dez euros que incluem o acesso ao resto do parque) —​ acompanhado pelo guia de bolso das espécies do parque ou por uma aplicação móvel que identifica zonas de interesse de biodiversidade —, mas Mariana Roldão espera ter visitas de escolas orientadas por educadores do parque “todos os dias”. Se os estudantes já conheciam nas oficinas do Serviço Educativo os ecossistemas do parque “à lupa e ao microscópio”, “no Tree Walk a sensação é que estamos a fazer um zoom out ao parque e que os estamos a ver noutra esfera”. “Há toda uma diversidade e particularidades daqueles mundos que não se vêem na perspectiva térrea. No início estava com receio porque achei que a obra poderia ser muito impactante. Tive medo que houvesse abate de árvores.”

Mariana Roldão rendeu-se ao quão próximo o passadiço a deixa da copa de diferentes espécies arbóreas — sem cair no erro de tocar nelas. Manter o conjunto arbóreo intacto foi a “primeira preocupação” dos arquitectos e técnicos de gestão e manutenção do parque, desde os 28 pilares que não interferem nas raízes ao espaço deixado para o crescimento dos ramos. As próprias curvas ao longo dos 260 metros de caminho horizontal e acessível a pessoas com mobilidade reduzida são “dadas à pré-existência” do bosque, indica o arquitecto Carlos Castanheira. Quando sai para fora dele, revela entre as folhas o mar e, num miradouro, o lago, lá em baixo.

PÚBLICO - O miradouro, que é também um pequeno auditório, com vista sobre o lago.
O miradouro, que é também um pequeno auditório, com vista sobre o lago. Nelson Garrido
PÚBLICO - O miradouro, que é também um pequeno auditório, com vista sobre o lago.
O miradouro, que é também um pequeno auditório, com vista sobre o lago. Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido

“Com o apoio do Fundo Ambiental, outra das preocupações, que talvez numa situação normal não pensaríamos tanto, foi que no mínimo 40% da madeira usada neste passadiço viesse de reciclagem, tanto de obras como de incêndios”, diz o arquitecto. A estrutura, maioritariamente construída em madeira, pode suportar três mil pessoas, embora a lotação estipulada não ultrapasse as 300, e irá desiludir quem espera sentir-se perigosamente suspenso entre as árvores. Não é esse o objectivo do passadiço que eleva o parque ao nível das árvores que o olham de cima. “Na verdade, pode também ser um local de contemplação”, convida Mariana Roldão. “Até porque é bastante inspirador.”