Reportagem

Motoristas à espera da requisição civil após atrasos de três horas em Matosinhos

Piquete de greve em Matosinhos conseguiu que camiões regressassem aos parques das empresas. Três horas depois voltariam escoltados pela polícia, mas trabalhadores acreditam que atraso obrigará a alargamento da requisição civil à zona Norte.

Foto
Nelson Garrido

Na terça-feira, Manuel Mendes tinha deixado o aviso: “Vamos ter de fazer alguma coisa, isto assim não pode continuar. Quarta-feira vai ser um dia decisivo”. Às declarações do delegado da zona Norte do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) aliavam-se ajuntamentos pontuais dos homens de piquete de greve. Havia sinais de que algo iria acontecer. Mas não era possível perceber exactamente o quê.

Esta manhã, os primeiros camiões entraram com normalidade na refinaria de Leça da Palmeira, em Matosinhos, com os ponteiros do relógio a marcar as 4h30. Pequenos grupos de motoristas dispersavam-se por pontos estratégicos, avisando os colegas que se dirigiam para o ponto de abastecimento de que algo iria de facto acontecer. A novidade chegou por volta das 6h25, quando os cerca de 50 motoristas abordaram o primeiro camião.

“A guerra não é só nossa. É de todos. Pára aí o camião”. A palavra de ordem surtiu feito. Em poucos minutos, uma dezena de camiões juntava-se à porta do complexo, com os quatro indicadores ligados. Pela primeira vez desde o início da greve, os motoristas pareciam ter vantagem.

PÚBLICO -
Foto
Nelson Garrido

Avelino Azevedo foi um dos únicos na segunda-feira, primeiro dia de paralisação, a recusar cumprir serviços mínimos. O semblante carregado desse dia aligeirava-se, com cada camião que recusava entrar na refinaria. “Sinto-me mais animado, sem dúvida. Sentia-me um bocadinho sozinho na segunda-feira, notava-se que a adesão do pessoal era mínima. Talvez os colegas estejam mentalizados de que a greve irá continuar e querem juntar-se a quem dá luta”.

Mais de 30 camiões regressaram aos parques das respectivas empresas. Cada motorista que não abastecia era aplaudido pelo piquete. “Está a correr bem. Os colegas estão a aderir pacificamente. Esta iniciativa é nacional”, revelava ao PÚBLICO Manuel Mendes. No Sul, o sindicato deixava a garantia de que não iria cumprir serviços mínimos e requisição civil.

Os possíveis efeitos do incumprimento começavam a espalhar-se pelos órgãos de comunicação social. Precavendo-se de uma eventual opinião pública desfavorável, Manuel Mendes garantiu ao PÚBLICO que eventuais inconveniências eram essenciais para os efeitos da paralisação: “Lamento e peço desculpa aos portugueses. Não queremos prejudicá-los, mas temos de lutar pelos nossos direitos e fazer a nossa luta.”

Camiões com escolta policial

Começaram a grelhar-se bifanas, encheram-se os copos. O espírito era de força, mas o primeiro balde de água fria chegaria às 9h45. Os camiões que durante a manhã não tinham entrado na refinaria voltavam com escolta policial. A desilusão foi abafada por aplausos irónicos, misturados com alguns insultos. Apesar do contratempo, o período de três horas em que os serviços estiveram parados serviram para alimentar os espíritos dos trabalhadores.

“Tínhamos de tomar uma posição de força face aos abusos das empresas, que excediam os serviços mínimos”, reiterava Cristóvão Oliveira, um dos motoristas que observava a chegada dos camiões escoltados pelas forças policiais.

PÚBLICO -
Foto
Nelson Garrido

José Rego, coordenador do sindicato, não mostrou surpresa com a entrada dos veículos. “Já estávamos à espera, especialmente desta empresa [Paulo Duarte]”, disse. Outros motoristas consideravam os camiões que entraram na refinaria “uma gota no oceano”. Luís Rodrigues, que passou as três noites no piquete de greve, mantém a esperança de que este “bloqueio” temporário será suficiente para afectar a distribuição de forma irreversível.

“O nosso objectivo é fazer o menos possível para que a requisição civil chegue aqui ao Norte. Com esta quebra, acredito que [a requisição] seja declarada já hoje [quarta-feira]. Ontem fizemos 100% dos abastecimentos e os postos continuaram com deficiência de combustível”, explica o motorista sindicalizado que promete voltar ao piquete no feriado como forma de “incomodar os colegas movidos pela ganância”.

Durante a tarde, será hora de avaliar os verdadeiros estragos promovidos pela acção da manhã. Os olhos apontam para a capital, onde uma possível extensão da requisição civil poderá ser decretada. “Nem um passo atrás” continua a ser a palavra de ordem em Matosinhos onde, esta quarta-feira, foi interrompida a normalidade que marcou os dias anteriores de paralisação.

PÚBLICO -
Foto
Gonçalo Dias