Wordpress compra Tumblr e mantém regras: não à pornografia

Verizon desfaz-se da popular plataforma de microblogging, que foi mais um negócio ruinoso da Yahoo.

A Verizon, dona da Yahoo, vende o Tumblr por uma ninharia face ao preço pago pela Yahoo em 2012
Foto
A Verizon, dona da Yahoo, vende o Tumblr por uma ninharia face ao preço pago pela Yahoo em 2012 Reuters/Arquivo

O Tumblr vai mudar de mãos, mais uma vez, mas a partilha de pornografia, que lhe deu grande popularidade, vai continuar a ser proibida. Esta regra tinha sido instituída em Dezembro de 2018 e vai manter-se em vigor no próximo capítulo, anunciou a Automattic, que é dona do Wordpress e compra esta popular plataforma de microblogging à Verizon, dona da Yahoo.

Os valores envolvidos não foram revelados – alguma comunicação social dos EUA e britânica falam num negócio ruinoso para os lados da Yahoo, que comprou o Tumblr em 2012, por 1100 milhões de dólares. Era um tempo de grandes negócios na Internet, em torno de marcas de rápido crescimento, como era o caso do Tumblr, cujo sucesso se baseava num interface e um sistema de publicação bastante simples e um grande foco na partilha de conteúdos visuais como imagens e vídeo. Um ano depois, o Facebook compraria o Instagram por uma quantia semelhante, mas, ao contrário desta rede social, o Tumblr não provou o valor que pagaram por ele.

Em apenas quatro anos, a Yahoo viu-se obrigada a desvalorizar esse activo por duas vezes. Depois de falhar redondamente objectivos de receitas e lucros, em 2016 a Yahoo reviu as estimativas de cash flow futuros e registaria imparidades de mais de 750 milhões de dólares. Um doloroso corte que era feito no goodwill e nos activos intangíveis, mostrando que gigantes como o Yahoo sobrevalorizavam marcas e descuraram modelos de negócio.

Agora, diz alguma imprensa anglo-saxónica, o Tumblr acaba de ser vendido por menos de 20 milhões de dólares (17,8 milhões de euros) – o jornal The Guardian diz mesmo que o negócio se faz por três milhões de dólares (2,7 milhões de euros), citando Dan Primack, um conhecido editor da Axios. Uma ninharia face ao valor de mercado estimado em 2013.

Com 475 milhões de blogues, o Tumblr passa agora para as mãos de uma empresa que soube construir um dos maiores ecossistemas de blogues no mundo ocidental, a Automattic, de Matt Mullenweg. “É uma das marcas mais icónicas da Web. É um palco importante para a partilha de novas ideias, culturas e experiências”, afirma o CEO da Automattic, no comunicado em que se anuncia o negócio.

Porém, nessas ideias e culturas não cabe a pornografia que, durante muito tempo, ajudou o Tumblr a crescer, visto que era uma espécie de porto de abrigo tanto para artistas mainstream como para os da indústria do sexo. O porno foi banido em Dezembro de 2018, depois de incidentes com pornografia de menores que levaram a Apple a suspender a app do Tumblr da loja App Store. E a regra é para manter, como fica claro numa mensagem que Mullenweg publicou no Twitter.

“Penso que a Internet e os que procuram conteúdo para adultos vão safar-se. A vida sempre oferece outros caminhos. Se as pessoas querem mudar regras, têm de pressionar as lojas de aplicações da Apple e da Google, porque mais ninguém tem esse poder”, resumiu o fundador do Wordpress. O curioso é que o Wordpress – que também é um sistema de gestão de conteúdos usado por milhares de empresas para gerir todo o tipo de sites comerciais – admite pornografia na plataforma de blogues. Porém, no Tumblr, a proibição é para continuar, apesar de comprovadamente ter levado o tráfego cair a pique: em Dezembro de 2018, tinha 521 milhões de pageviews; um mês depois da proibição, caía para 437 milhões, uma quebra de quase 100 milhões de visualizações em 30 dias, ou menos 17%.

Mullenweg diz ainda que a compra do Tumblr era “a oportunidade de uma geração” e sabia que “tinha de a fazer”. É a hipótese de “construir uma web mais aberta, mais inclusiva, melhor e mais divertida”, acrescenta. O CEO do Tumblr, Jeff D'Onofrio, por seu lado, mostrou-se confiante no futuro de uma empresa que vale hoje 0,27% do que valia há seis anos.

Para a Verizon Media, que adquiriu o Yahoo em 2017, trata-se de um adeus a um activo que não trazia rentabilidade e ainda emprega mais de duas centenas de pessoas. “O anúncio de hoje [segunda-feira] é o culminar de uma estratégia pensada até à exaustão”, afirma Guru Gowrappan, presidente-executivo desta empresa que é a divisão de conteúdos do operador norte-americano de telecomunicações Verizon. “Tumblr foi uma marca que deu origem a movimentos, permitiu que outras identidades florescessem, tornou-se a casa de muitas comunidades criativas e de nichos. Estamos satisfeitos por ter encontrado o parceiro certo com a Automattic, cujo currículo promete abrir novas portas ao Tumblr e aos seus utilizadores.”