Frente contra reunião da extrema-direita em Lisboa

Protesto tem apoio de organizações da Suíça, França, Bulgária, Galiza, Inglaterra, além do SOS Racismo e Movimento Alternativa Socialista.

António de Oliveira Salazar
Foto
Lusa/António Cotrim

A realização, no próximo dia 10 de Agosto, em Lisboa, de uma reunião de organizações de extrema-direita da Europa, motivou a convocatória de uma manifestação de protesto para o mesmo dia e local por uma frente de organizações nacionais e internacionais.

“Num país que viveu um regime ditatorial e que conta na Constituição o artigo 46, alíneas 1 e 4, que explicita a proibição de organizações racistas ou que perfilhem a ideologia fascista, ou ainda que promovem a violência, é difícil perceber que este tipo de eventos possa acontecer”, sublinha o manifesto enviado esta terça-feira às redacções.

Os organizadores do protesto exigem também aos partidos políticos que se posicionem e expliquem “as medidas que pretendem tomar para que este tipo de acontecimento não se possa reproduzir”.

“A presença e actuação de grupos terroristas e neonazis como a Blood and Honour, Hammerskin ou ainda a Nova Ordem Social já foram assinalados pela Europol e o SIS”, refere o manifesto. “Não podemos, nem iremos aceitar a normalização deste discurso de ódio e dos ataques dos quais estes grupos são autores”, acentua o texto.

Este apelo à mobilização dos cidadãos, partidos, sindicatos e organizações é subscrito, entre outros, pelo partido Movimento Alternativa Socialista, a associação SOS Racismo e a plataforma STOP Despejos. Já teve a adesão de organizações da Suíça, França, Bulgária, Galiza, Inglaterra, Canadá e Brasil.