Carlos César ataca Ana Gomes: “Insulta quem não lhe faz a corte”

Líder parlamentar do PS demarcou-se das declarações da ex-eurodeputada socialista sobre a transferência de João Félix para o Atlético de Madrid. Eurodeputada acusou-o de “fechar os olhos” aos crimes financeiros no futebol.

,Francisco Assis
Foto
PÚBLICO

Um dia depois de Ana Gomes ter acusado Carlos César de ser uma das individualidades que “fecha os olhos” a eventuais ilegalidades no futebol, o presidente do Partido Socialista reagiu: em declarações ao Diário de Notícias, o (ainda) líder parlamentar da bancada socialista afirmou que a ex-eurodeputada tem “o hábito de insultar quem não lhe faz a corte”.

O presidente do PS diz ainda que não tem qualquer problema em falar sobre figuras influentes na sociedade portuguesa: "No que me toca, neste caso específico, como em qualquer outro, tenho tanto receio em falar de Luís Filipe Vieira [presidente do Benfica] como de Ana Gomes, ou seja, nenhum.”

Contactada pelo PÚBLICO, Ana Gomes preferiu não tecer qualquer comentário sobre as declarações de Carlos César. 

Na passada quinta-feira, o PS demarcou-se das declarações da antiga eurodeputada quanto a uma eventual ilegalidade na transferência de João Félix, que deu início à “guerra” de palavras entre Carlos César e Ana Gomes. “Não será negócio de lavandaria?”, questionou Ana Gomes, em resposta a um tweet de Faria Lopes, onde o jornalista da revista Sábado afirmava não ter ainda encontrado uma “explicação racional e fundamentada” para que a venda de João Félix envolvesse os 126 milhões de euros que os espanhóis pagaram pelo jovem jogador.

O Benfica anunciou que iria processar a ex-eurodeputada por causa da declaração. Também em Março, o emblema da Luz garantiu que iria instaurar um processo judicial devido a uma entrevista que esta tinha dado ao jornal Recordna qual afirmou existir “um passado de delinquência” ligado a Luís Filipe Vieira, presidente dos “encarnados”.

O presidente das “águias” endereçou, a 11 de Julho, uma carta a Carlos César, pedindo que este se pronunciasse sobre as declarações de Ana Gomes, que, segundo Luís Filipe Vieira, tiveram um “evidente propósito de calúnia e gravidade criminal associada”, sob o risco de o silêncio dos socialistas poder ser entendido como uma “aceitação tácita ou, pelo menos, tolerância quanto ao respectivo teor [das declarações].”

PÚBLICO -
Foto
João Félix foi transferido para o Atlético de Madrid por 126 milhões de euros JUAN MEDINA / REUTERS

Em resposta, Carlos César referiu que o partido não tomou nenhuma “posição institucional” e que as opiniões de Ana Gomes reflectem apenas “uma posição própria e pessoal”, ponto de vista que voltou a reforçar esta segunda-feira ao Diário de Notícias: "O que foi necessário neste caso aclarar é que ela podia falar em nome do PS quando era assalariada do aparelho do partido, mas agora não.”

A resposta do presidente do Partido Socialista ao Benfica levou a ex-eurodeputada a afirmar que Carlos César se limitou a “esclarecer o óbvio”: os pontos de vista exprimidos reflectiam um ponto de vista pessoal e não vinculavam o partido. “Agradeço ao presidente Carlos César o afã de esclarecer o óbvio: não represento o PS e o que digo e escrevo só me vincula. Sendo socialista, e não apparatchik, não abdico de dar uso à minha cabeça... Já César, usa o que pode face a Vieira: a César, o que é de César”, escreveu no Twitter.