A praia da Lapa dos Dinheiros é um jackpot na Serra da Estrela

Verde por todos os lados e nunca cheia. É preciso ir à serra da Estrela para perceber que esta é uma combinação vencedora, numa época em que a região ganha nova vida.

Foto
Nelson Garrido

Há um ano, o incêndio que em Outubro de 2017 rondou a Lapa dos Dinheiros ainda andava na boca de quem faz da praia fluvial um prolongamento da sua vida – profissional. Foi a gente da aldeia, contaram-nos, que o conseguiu travar e não o deixou chegar ao vale onde se aninha a praia da Lapa dos Dinheiros, também conhecida na região por “da Caniça”, já que é na ribeira homónima que ela se abre – minúscula no areal, grande nas promessas. Este ano, o credo anda novamente na boca de todos – afinal, a praia está afundada num manto verde, que sobe os montes e desce as encostas. Garantimos que no calor estival da serra da Estrela é sob ele que queremos estar.

Ou então na água – transparente e “revigorante”, como disse Beatriz Amaral entre sorrisos, que aqui é eufemismo (desnecessário) para frio. É uma repetente na praia da Lapa dos Dinheiros. Ela, a irmã e o namorado estão novamente a explorar o bar de apoio, o que significa também alugar os guarda-sóis de palha e as espreguiçadeiras de lona que preenchem o pequeno areal, um degrau de pedra para um espelho de água que surge como uma piscina. Um dique de madeira a conter as águas da ribeira da Caniça (afluente do Alva) e eis um oásis na serra com direito, novamente, a bandeira azul (logo, ao respectivo nadador-salvador) e à distinção de praia acessível a todos, independentemente da idade ou capacidade de locomoção.

Foto
Nelson Garrido

Numa manhã de semana, são poucos os que circulam pelo espaço que inclui um parque de merendas – um banhista apenas na água. “Há mais gente à tarde e ao fim-de-semana”, afirma Beatriz, embora “nunca encha”. O negócio corre bem, porém, e ela gosta bastante do espaço – entre Junho e Setembro, o período da concessão, ela, a irmã e o namorado dividem-se entre a praia e o bar que tem, há três anos, em São Romão. “Tem de haver jovens a investir na região”, defende, “não podemos estar só a dizer que não se passa nada sem fazer algo para mudar.”

Cerca de 90% dos clientes que chegam à praia são estrangeiros, calcula, “gente que gosta de um estilo de vida activo”. E que aqui não se aborrece. Nas imediações, não faltam lagoas naturais e cascatas, como as Quedas da Caniça, dez minutos bem contados desde o bar. Primeiro, seguimos uma das muitas levadas que cruzam aqui a serra, depois, entramos em floresta onde o sol quase não entra – como um território mágico onde não falta um Buraco da Moura, uma gruta cuja entrada (de rochas – as “lapas”) se assemelha a um dólmen, e, mais adiante, as quedas que se observam desde um miradouro.

Quem quiser mais do que um pequeno passeio, a “Rota da Caniça” oferece seis quilómetros que passam por soutos centenários e pinhais, lameiros e mais, sempre mais, afloramentos rochosos. Como os Cornos do Diabo, o nome descreve bem o desenho do (proeminente) aglomerado de rochas, ou o buraco do Sumo, onde a água corre subterraneamente e deixa aos caminhantes apenas o seu som. Ainda que o início da rota seja junto da igreja matriz da Lapa dos Dinheiros (aí está, aliás, o painel informativo), é possível iniciá-lo (e terminá-lo) na praia fluvial. De preferência, com mergulhos.

Foto
Nelson Garrido
Foto
Alvoco da Serra Paulo Pimenta

À volta da praia

1. Aldeias de montanha, aldeias históricas

Aldeias de montanha e aldeias históricas – abundam no território da serra da Estrela e estão de portas abertas aos visitantes, para contar histórias, para mostrar história. De Loriga e Alvoco da Serra, onde a industrialização deixou marcas importantes, mas não apagou as tradições, a Linhares da Beira, o granito a nascer do chão e a preservar séculos de história que se expõem no castelo, passando por Cabeça, aldeia branca e xistosa encavalitada num cotovelo da serra e tantas outras – os costumes, as tradições, as lendas sobrevivem na boca dos seus habitantes.

2. Dormir na Póvoa Velha

Em 1990, apenas viviam três famílias em Póvoa Velha. “As casas estavam caídas e quase engolidas por urzes e giestas, não havia arruamentos, corria uma ribeira coberta de plásticos, latas e outro lixo doméstico pelo meio da aldeia”, recorda Ana Trabuco. Contudo, o seu marido, arquitecto, viu algo – fez algo. Comprou uma casa, depois outra – recuperou 16, conseguiu que outros também recuperassem. Agora, esta é a “aldeia perfeita”: muros e ruazinhas empedradas, ladeadas por casas de granito, portadas cor de ferrugem e pátios floridos, árvores... As três famílias mantêm-se e ao todo vivem 18 pessoas na aldeia turística – número que estica aos fins-de-semana e nas férias, não raras vezes esgotando os vários alojamentos.

3. Cair no poço

Há os naturais e os de broca – estes, de labor humano, quando foi necessário levar água aos campos onde não existia: abriram-se canais ao longo da Ribeira do Alvoco que saltam os desníveis e fazem-se cascatas a cair para “poços”. Com o passar dos anos, quase que se tornaram naturais – o da Barriosa é o maior; outros estão mais escondidos. Completamente natural, e a 1080 metros de altitude, o Poço do Inferno é a Ribeira de Leandres a cair dez metros para uma lagoa que se abre em rochas graníticas – daí ser um “poço”.

Foto
Paulo Ricca

4. Parapente em Linhares da Beira

Não será incomum ver passar parapentes nas paisagens da serra da Estrela, sobretudo para os lados de Linhares da Beira e de Manteigas. Diz-se que o voo em distância tem aqui terreno favorável e não faltam empresas que oferecem a possibilidade de fazer um baptismo de voo. Haja coragem.

5. Pedalar por aí

A partir do Centro de BTT de Manteigas (Lugar da Várzea), pode escolher-se passeio ou adrenalina. Só tem de se escolher um dos cinco percursos que cobrem 150 quilómetros, verificar a bicicleta e partir. A Rota da Lapa é a mais fácil, a das Penhas Douradas é a “muito difícil” – pelo meio, moderadas e difíceis. De todas, as encostas da serra se escrutinam em toda a sua majestade.

Foto
Paulo Ricca

6. Vales glaciares

Muitos vales e tantos quilómetros para caminhar entre natureza mais ou menos selvagem na Rota dos Glaciares. O Vale Glaciar de Loriga é o grande protagonista e a ele chegam muitos estrangeiros ao longo do ano; o Vale Glaciar do Zêzere é o maior da Europa; o Vale Glaciar da Candeeira é o segredo mais bem guardado. Pelo meio, os de Alforfa, do Covão Grande e do Covão do Urso. Entre eles, gargantas de pedra ou natureza mansa, encostas escarpadas e formas inesperadas, lagoas e pastos – a serra da Estrela no seu estado mais puro.

7. Queijo e pão sobre a mesa

Este fim-de-semana há festival “Pão Nosso” em Videmonte – e que bem ele combina com o queijo da serra que aí também se vende. E quem diz festival, quem diz Videmonte, diz toda a serra da Estrela: vejam-se só a broa de milho e o bolo negro de Loriga. E por quê ficarmo-nos pelo pão e queijo? Aqui, não faltam à chamada da mesa os enchidos (alheiras, morcelas, chouriços), o cabrito, o javali, a cabidela, o bacalhau com broa ou a truta. Para provar de tudo um pouco, O Albertino (Folgosinho) continua lendário; O Vicente (Loriga) não desilude.