Elon Musk está um passo mais perto de ligar os nossos cérebros à Internet

Empresa em que o magnata investiu já testou o sistema em animais de laboratório e pretende começar testes em humanos no próximo ano.

,Tesla, Inc.
Fotogaleria
Neuralink
Fotogaleria
Exemplo do pequeno processador em desenvolvimento pela empresa Neuralink

O multimilionário da tecnologia Elon Musk não se quer ficar apenas pela colonização de Marte. Além dos projectos desenvolvidos na área da tecnologia aeroespacial, com a SpaceX, e dos avanços da Tesla nos automóveis eléctricos e autónomos, Musk quer agora explorar a mente humana.

Esta semana, a Neuralink, empresa na qual Elon Musk investiu 100 milhões de dólares (89 milhões de euros), deu os primeiros passos para atingir o objectivo de introduzir um implante num cérebro humano. A empresa pediu autorização à reguladora norte-americana (a Food and Drug Administration) para começar a testar os dispositivos em humanos e deverá começar a fazê-lo no próximo ano, de acordo com o jornal  The New York Times.

O sistema, segundo a BBC, já foi colocado e testado num primata, que foi capaz de operar um computador através do cérebro. A empresa de Musk disse ainda que se pretende focar em pacientes com doenças neurológicas severas, apesar de o magnata da tecnologia perspectivar um futuro em que existirá uma “cognição super-humana” que não será usada primeiramente para fins médicos.

Foto
Exemplo do pequeno processador em desenvolvimento pela empresa NEURALINK

Cientistas independentes ressalvaram, contudo, que os resultados obtidos em animais poderão ser diferentes em humanos e que seriam necessários muitos testes em pessoas. 

O implante desenvolvido pela Neuralink consiste numa pequena sonda com mais de três mil eléctrodos ligados a pequenos fios – mais finos do que um cabelo humano – que pode monitorizar a actividade de mil neurónios. A vantagem do sistema, diz a empresa, é que seria capaz de activar áreas especificas do cérebro, tornando o processo seguro do ponto de vista cirúrgico. Seria também possível analisar registos através de aprendizagem automática, que depois serviria para adequar a estimulação cerebral às diferentes necessidades dos pacientes.

Durante a apresentação do projecto, Musk esclareceu que “não controlarão os cérebros das pessoas” (há quem se preocupe com ciberataques ao cérebro) e que “demorará muito tempo” até que os objectivos sejam atingidos. Em ocasiões anteriores, Musk já havia deixado o alerta de que a inteligência artificial poderia destruir a raça humana. O milionário garantiu ainda que falta muito tempo até que o serviço possa ser comercializado.

O dono da Tesla explicou que, conectando o cérebro a uma interface externa, criaria um novo modelo de “superinteligência”. Este sistema significaria que o ser humano estaria numa espécie de “simbiose com a inteligência artificial”, não estando totalmente dependente dela. No fundo, seria possível ligar o cérebro humano à Internet e permitir que uma série de processos fossem realizados apenas através da estimulação do cérebro. 

O presidente da Neuralink, Max Hodak, partilhou o optimismo de Elon Musk e disse ainda que os cirurgiões a trabalharem no projecto teriam, numa primeira fase, de fazer pequenos furos no escalpo para implantar o aparelho. Mas afirmou que no futuro seria possível introduzir o microcomputador no cérebro com recurso a pequenas incisões realizadas por laser.

Krittika d’Silva, uma especialista da NASA presente no evento de apresentação, afirmou, citada pela BBC, que a tecnologia descrita “é entusiasmante, porque é significativamente menos invasiva do que os trabalhos anteriormente realizados na área”. Andrew Hires, professor assistente de Neurobiologia na Universidade da Califórnia do Sul, escreveu no Twitter que a Neuralink tinha conseguido obter o melhor da tecnologia de laboratório existente.

Mas não é só a empresa de Musk que pretende aventurar-se no desenvolvimento de interfaces cerebrais. A Kernel, uma empresa tecnológica dirigida por Bryan Johnson, tem em curso teste semelhantes que pretendem “melhorar e expandir a cognição humana”.

Os desafios tecnológicos que a Neuralink enfrenta têm obrigado Musk a procurar financiamento. A empresa já obteve 158 milhões de dólares em financiamento e tem 90 empregados, pretendendo recrutar mais.

A empresa planeia trabalhar com neurocirurgiões da Universidade de Stanford e de outras entidades de renome nas primeiras fases das experiências.