Madrid suspende proibição a carros poluentes no centro da cidade

Novo presidente da Câmara da capital espanhola decidiu recuar na medida adoptada pelo anterior executivo. Milhares de pessoas protestaram nas ruas contra decisão.

Foto
A medida, agora revertida, pretendia reduzir até 23% os níveis de emissão de gases com efeito de estufa no centro de Madrid LUSA/FERNANDO ALVARADO

Num momento em que os governos europeus juntam esforços para limpar o ar das cidades, Madrid caminha no sentido contrário. A capital espanhola que, em Novembro, tinha iniciado um programa de combate às emissões de gases com efeito estufa que incluía a total proibição de circulação de veículos poluentes no centro da cidade, viu essa medida revertida pelo executivo de José Luis Martínez-Almeida, do Partido Popular (PP).

O recém-empossado presidente da Câmara de Madrid — que estabeleceu um governo de coligação com o Cidadãos, apoiado pelo Vox — reverteu a iniciativa ecológica, para o desagrado de milhares de pessoas, que protestaram, no passado domingo, pelas ruas da capital espanhola, num dia em que o país atravessava uma onda de calor que já tinha provocado dois mortos.

Foto
Manifestantes juntaram-se em Madrid para protestar com decisão do presidente da Câmara David Fernandez / LUSA

Manuela Carmena, autarca que antecedeu José Luís Martínez-Almeida, traçou este projecto como um dos seus principais objectivos no mandato à frente da Câmara de Madrid. Aprovado no final de Outubro, a iniciativa visava melhorar a qualidade de vida e aumento da segurança de um espaço urbano partilhado por carros, bicicletas, pedestres e um número crescente de transportes pessoais.

Foi desenhada uma zona de baixas emissões com uma área total de 472 hectares, onde veículos a gasolina registados antes de 2000 e a diesel antes de 2006 estavam impedidos de circular, a menos que fossem utilizados por residentes. Quem fosse apanhado a desobedecer a estes regulamentos seria multado em 90 euros, numa proibição que não abrangia veículos de emergência. Até 2020, a autarquia procurava reduzir até 23% os níveis de emissão de gases com efeito de estufa.

A restrição aos veículos antigos — e mais poluentes — é algo comum a várias cidades europeias. Em 2003, Londres tornou-se a primeira cidade da Europa a obrigar os condutores a pagar uma “taxa de congestionamento” para circularem no centro da cidade. Em Portugal, Lisboa foi a primeira cidade a adoptar medidas que restringem a circulação de carros antigos. No centro da capital portuguesa, estão proibidos de circular veículos anteriores a 1992.