Opinião

Cada cérebro tem de saber como funciona um cérebro

É curioso que, no início do século XXI, a maioria das pessoas saiba ligar um smartphone a qualquer aparelho ou rede digital mas não tenha qualquer ideia sobre os mecanismos da memória, da aprendizagem ou das emoções.

Todos sabem que, quando se fala do cérebro, a ciência não sabe quase nada. Mas trata-se de uma afirmação muito questionável. Nos últimos 30 ou 40 anos, a neurociência fez progressos tão grandes que chegou a altura de mudar a abordagem: cada cérebro tem que saber como funciona um cérebro. É curioso que, no início do século XXI, a maioria das pessoas saibam como ligar um smartphone a qualquer aparelho ou rede digital, mas não tenham nenhuma ideia sobre os mecanismos da memória, da aprendizagem ou das emoções. Vou dar cinco exemplos:

PÚBLICO -
Foto
O cérebro de Marco Magrini, jornalista italiano, especialista em ciência e tecnologia DR

1. De todas as células que neste momento compõem o seu corpo, as únicas que ficam consigo desde o nascimento são as do cérebro. As células da pele vivem um mês. As do fígado cerca de 18. Os neurónios vivem ao longo de toda a vida, a fim de conservar as memórias e a nossa personalidade. Cada um dos 86 mil milhões de neurónios, através dum estimado número de 150 milhões de milhões de conexões entre eles, calcula em tempo real a intensidade das centenas de sinais eléctricos recebidos e, se ultrapassar um determinado nível, vai enviar um sinal a centenas ou milhares de outros neurónios. Graças a estes cálculos (ocorridos até 200 vezes por segundo), neste instante o seu cérebro pode descodificar os fotões que chegam à sua retina em caracteres tipográficos, os caracteres em sons, os sons em palavras, as palavras em sentido.

2. Se não conhecia estes pormenores, no fim da leitura deste artigo o seu cérebro vai-se encontrar (muito, muito ligeiramente) mudado. Esta propriedade chama-se plasticidade. Está na base dos sistemas de memória e aprendizagem. Em resposta a mudanças no comportamento, no ambiente, no pensamento e nas emoções, o cérebro muda imperceptivelmente. Novas informações criam novas sinapses (as conexões neuronais) e, quanto mais uma sinapse é utilizada mais forte se torna. Durante séculos, pensava-se que a evolução cerebral abrandava progressivamente, até parar por volta da adolescência. Hoje sabemos que não é verdade. Da mesma maneira, a antiga ideia de que o carácter, o talento e as capacidades são estáticos é infundada. Pelo contrário, cultivar a ideia de que o talento pode ser desenvolvido, de que as capacidades podem aumentar, de que os hábitos desagradáveis podem ser corrigidos, abre aos cérebros novos horizontes.

3. “Não tenho memória”, é frequente ouvir-se dizer. Mas também a memória é objecto da plasticidade e, portanto, de mudança. A memória precisa da repetição (para reforçar as sinapses) mas não basta: sem a atenção, sem que o cérebro esteja focado, repetir de pouco serve. Sem motivação é difícil manter a atenção. Além disso, a memória é contextual (as informações são impressas juntamente com outras, por exemplo visuais ou olfactivas) e é também associativa (é mais fácil recordar um acontecimento se o ligarmos a algo já conhecido). Os campeões de memorização usam estratégias associativas. Joshua Foer, jornalista do New York Times, decidiu experimentar estas técnicas. Depois de um ano de treino, venceu o USA Memory Championship 2006, ao aprender de cor num minuto e quarenta segundos a exacta sequência de 52 cartas de jogar.

PÚBLICO -
Foto
Capa do livro "Cérebro - Manual do Utilizador" (17, 70 euros)

4. Enquanto vive o presente, o seu cérebro está constantemente atarefado a imaginar o futuro. Esta propriedade chama-se predição. O cérebro prediz constantemente as suas percepções, um pouco como se olhasse sempre para o futuro, mais ou menos próximo. Durante séculos pensou-se que o cérebro reagia às informações que lhe chegam pelos órgãos dos sentidos, mas hoje sabemos que o cérebro não reage, mas prediz. Enquanto caminha, o seu cérebro prediz a cada passo quando é que o pé chegará ao chão. Enquanto ouve alguém que está a falar, o seu cérebro prediz os sons, as sílabas, as palavras que se seguirão. O mesmo acontece quando vê um filme antigo (prevendo sempre a cena que se segue) ou um filme novo (imaginando como irá acabar). “Pensamentos, emoções, percepções, recordações, decisões, imaginações e muitos outros fenómenos mentais – diz Lisa Feldman Barrett, uma psicóloga norte-americana – podem ser reunidos sob um único mecanismo: a predição.”

5. Se por acaso gostou destes quatro pontos, saiba que uma descarga de dopamina ocorreu no seu cérebro. A dopamina é um dos neurotransmissores, neuromoduladores ou hormonas que, entre outras coisas, produzem as emoções. O amor, o medo, a felicidade, mas também a inveja ou a vergonha, não caem do céu: são experiências totalmente produzidas pelos cálculos electroquímicos dos neurónios. E largamente reguladas pelo sistema da predição. Por exemplo, a dopamina (a “molécula do prazer”) regula também os níveis da atenção que, como vimos, é necessária para a aprendizagem. É por isso, que aprender com divertimento e com a previsão de uma recompensa, é mais fácil.

É só um dos muitos mecanismos cerebrais que produzem a nossa sensação de existir. E também a nossa mesma existência.