James Ferraro, Peter Evans e Nadah El-Shazly no Out.Fest do Barreiro em Outubro

A 16.ª edição do festival, que decorre de 3 a 5 de Outubro, mantém-se fiel à sua matriz original: “aproximar as músicas experimentais a um público não especializado”.

James Ferraro
Foto
O norte-americano James Ferraro, figura de destaque no cenário musical da alvorada do século XXI, será um dos nomes presentes no Barreiro Joyce Kim

O músico James Ferraro, o trompetista Peter Evans e Nadah El-Shazly, pioneira da música experimental no Egipto, estão entre as primeiras confirmações anunciadas esta sexta-feira para o Out.Fest, festival a decorrer de 3 a 5 de Outubro, no Barreiro. Para o Out.Fest - Festival Internacional de Música Exploratória do Barreiro estão também já confirmados o artista Ilpo Väisänen, membro do grupo finlandês Pan Sonic, que se apresenta a solo em Portugal, a banda de hip hop Dälek, o duo de música noise Yeah You, as performances musicais e teatrais dos irmãos Brynje e a cantora clássica Kali Malone.

Com 25 a 30 concertos espalhados pela cidade do Barreiro, a 16.ª edição do festival marca “uma continuidade do modelo do ano anterior, de aproximar as músicas experimentais a um público não especializado”, disse à Lusa o director artístico do Out.Fest, Rui Pedro Dâmaso. Da programação anunciada esta sexta-feira, a organização destaca o norte-americano James Ferraro - um “artista crucial da viragem deste século no Ocidente” - e o seu mais recente álbum, Requiem for Recycled Earth, Peter Evans, “uma das figuras mais importantes do jazz e da improvisação deste século”, que se fixou em Lisboa, depois de anos de trabalho em Nova Iorque, e a cantora e compositora do Cairo Nadah El Shazly, com a sua investigação sobre o património artístico norte-africano.

Esta edição, que assinala os 15 anos do festival, reforça a combinação de vários géneros e expressões característicos da iniciativa, como jazz, hip hop, música clássica e electrónica, para celebrar e “dar a conhecer novos artistas da música experimental, e aprofundar o contacto entre o público especializado e os artistas deste estilo musical”, explicou o director.

É o caso do duo lisboeta Candura, surgido em 2018, e do seu primeiro trabalho /I, editado pela norte-americana GreySun Records, da cantora, compositora e improvisadora norte-americana Kali Malone, que explora novas abordagens musicais num instrumento ancestral como o órgão, e do duo Yeah You, composto por pai, Gustav Thomas, e filha, Elvin Brandhi, oriundos do Norte de Inglaterra, e a sua investigação do noise como música de dança. Elvin Brandhi atuou em Portugal, no final do ano passado, na Galeria Zé dos Bois, em Lisboa, e no Spoiler Room, no Porto.

Entre os primeiros nomes anunciados destaca-se igualmente o regresso dos irmãos dinamarqueses Hartvig, que em 2016 se fixaram no Barreiro, durante seis meses, para uma residência artística na Escola Conde Ferreira. Confirmados estão também o hip-hop de raiz industrial dos nova-iorquinos Dälek (que insistem nesta expressão “até entrar nos nossos sistemas fisiológicos a verdade das coisas") e o músico sobrevivente do duo Panasonic/Pan Sonic, Ilpo Väisänen (que continua a “fazer música para que não nos esqueçamos das razões da luta"). Raw Forest (um dos desdobramentos criativos de Margarida Magalhães) e Luar Domatrix (pelo qual responde o artista visual Rudi Brito) foram também anunciados esta sexta-feira.

O festival, que já percorreu 50 espaços distintos da cidade do Barreiro, vai ter, este ano, três novos locais de concertos, ainda a anunciar, mas que Rui Pedro Dâmaso diz enquadrarem-se, sempre, numa aproximação “ao centro da cidade”. Os bilhetes continuam à venda, tendo já esgotado os primeiros cem passes gerais para o festival, disse à Lusa o director do Out.Fest.

O Out.Fest - Festival Internacional de Música Exploratória do Barreiro “procura reflectir o que de mais significativo se faz actualmente na música experimental contemporânea, nas suas mais diversas ramificações - da música improvisada à electrónica abstracta, do free-jazz ao noise, à música clássica contemporânea e às novas e inclassificáveis linguagens que todos os dias nascem e enriquecem um pouco mais o mundo”.

O festival é um projecto das associações culturais Out.Ra e Filho Único, com apoio do município. No ano passado o Out.Fest contou com nomes como Telectu, Linn da Quebrada, Lotic, Ricardo Rocha e João Pais Filipe, Group A, HHY & The Macumbas, Lea Bertucci, YEK, Fret (Mick Harris) e Jimi Tenor.