À “boleia” do accionista Estado, particulares emprestaram mais de 100 milhões à TAP

Transportadora começou por pedir 50 milhões, mas a procura permitiu quadruplicar a emissão de obrigações para 200 milhões de euros. Recurso aos particulares é uma oportunidade para as empresas, mas também uma necessidade.

Foto
Particulares confiantes nos "voos" da TAP Paulo Pimenta

O empréstimo obrigacionista TAP 2019-2023, destinado ao mercado de retalho, superou as expectativas da companhia, que começou por fixar um montante de 50 milhões de euros mas, dada a forte procura, nomeadamente de pequenos investidores, acabou por se financiar em 200 milhões de euros. A oferta de uma taxa de rentabilidade atractiva, especialmente se comparada com a taxa média dos depósitos (em valores próximos do zero) ajudam a explicar a forte procura pela emissão de obrigações, produto financeiro que não está isento de risco.