Teresa Morais: “Não é o meu PSD”

Deputada e ex-governante critica o partido mediano e ideologicamente puro em que se trransformou o PSD.

Teresa Morais não integrará lista de candidatos a deputados
Foto
Teresa Morais não integrará lista de candidatos a deputados Miguel Manso

Teresa Morais não tem sido meiga para a direcção de Rui Rio, mas desta vez assume-se em sintonia com o líder do partido. “Ele não conta comigo e eu não conto, seguramente, com ele”, escreveu no Facebook depois de se ter despedido das gentes de Leiria, distrito pelo qual integrou as listas de deputados.

“Despedi-me hoje, grata e reconhecida, da minha gente de Leiria. Era chegado o momento de uma clarificação. E foi isso que fiz”, começou por escrever a parlamentar. “O Dr. Rui Rio e eu estamos, finalmente, em sintonia em alguma coisa: ele não conta comigo e eu não conto, seguramente, com ele. Fica assim claro que eu, com toda a serenidade, me retirarei da linha da frente do partido com uma coincidência assinalável de pontos de vista”, acrescentou.

A ex-governante de Pedro Passos Coelho, que não integrará as listas de candidatos a deputados, critica o partido em que se transformou o PSD. “O partido mediano e ideologicamente puro, onde só cabem amigos e acólitos subservientes, não é o meu PSD”, escreveu Teresa Morais, queixando-se do facto de Rui Rio ter rejeitado “o contributo dos ditos ‘passistas’, como rejeitou desde sempre o legado de Pedro Passos Coelho”.

Depois de, em várias circunstâncias ter assumido as críticas à liderança, como quando escreveu um artigo de opinião no PÚBLICO a pedir “Deixem-nos trabalhar!", Teresa Morais foi definitiva: “Não quero ter rigorosamente nada em comum com quem está a definhar o meu partido, a excluir em vez de acrescentar, a tornar o PSD num partido ‘maneirinho e homogéneo'”. 

Teresa Morais foi vice-presidente do PSD, secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade entre 2011 e 2015 e ministra da Cultura, Igualdade e Cidadania no Governo curto de Pedro Passos Coelho, entre Outubro e Novembro de 2015.

Sugerir correcção