Realizadora portuguesa Regina Pessoa duplamente premiada no Festival de Annecy

Tio Tomás, A Contabilidade dos Dias, homenagem a um “poeta do quotidiano”, conquistou o júri do importante festival de animação. O vencedor do Cristal para a melhor longa-metragem foi J’ai perdu mon corps, de Jérémy Clapin.

"Tio Tomás, A Contabilidade dos Dias"
Foto
Tio Tomás, A Contabilidade dos Dias

A realizadora portuguesa Regina Pessoa foi duplamente premiada no Festival Annecy, em França, pelo seu filme Tio Tomás, A Contabilidade dos Dias. O festival internacional de cinema de animação entregou o Prémio do Júri à curta-metragem de Regina Pessoa e o seu galardão mais importante, o Cristal, a J'ai perdu mon corps, a longa-metragem de estreia de Jérémy Clapin, que já tinha sido premiado na Semana da Crítica do Festival de Cannes.

PÚBLICO -
Foto
A realizadora a receber o prémio DR

Regina Pessoa regressou este ano ao festival de referência do cinema de animação depois de várias participações desde a década de 1990. Ali recebeu o Cristal, em 2006, com História Trágica com Final Feliz. Desenhou o cartaz oficial do festival em 2015 e agora foi a vez de Tio Tomás, A Contabilidade dos Dias (2019) ser distinguido com o Prémio do Júri e ainda com o galardão para a Melhor Banda-Sonora de Curta-Metragem, da autoria de Normand Roger. O filme, como descreve a realizadora na sinopse, nasce das “memórias afectivas e visuais” da sua infância.

“Este filme pretende ser uma homenagem ao meu tio Tomás, um homem humilde e um pouco excêntrico que teve uma vida simples e anónima. Com este filme eu gostaria de testemunhar como não é preciso ser-se alguém para se ser excepcional na nossa vida”, escreve.

PÚBLICO -
PÚBLICO -
Fotogaleria

A curta, de 13 minutos, é uma co-produção entre a portuguesa Ciclope Filmes, a Les Armateurs e o Office National du Film do Canada, bem como de Ivan Rouveure. O Office National du Film do Canadá (o produtor e distribuidor estatal do país da América do Norte) descreve em comunicado o filme como “um poderoso grito de amor” a um “poeta do quotidiano”. O filme teve ainda o apoio do Instituto do Cinema e do Audiovisual.

PÚBLICO -
Foto
J'ai Perdu mon Corps

O prémio foi entregue no sábado, dia de encerramento do festival, que entregou ainda o Cristal de Curta-Metragem a Mémorable, do francês Bruno Collet. O evento, que decorreu entre 11 e 15 de Junho na cidade francesa, recebeu vários filmes de estúdios independentes mas também foi palco da promoção de títulos dos novos players do mercado audiovisual – o Netflix, por exemplo, e sobretudo a veterana Disney sob a sua nova capa, a de serviço de streaming iminente chamado Disney+. A empresa escolheu este festival que reúne muitos dos principais nomes do sector (foi uma edição bastante concorrida também em termos de público) para anunciar novas séries de animação e, segundo a revista especializada Variety, cortejou autores independentes e produtores.

Regina Pessoa é uma realizadora reconhecida internacionalmente e em Portugal, onde recebeu os prémios de Melhor Curta no Festival IndieLisboa e nos Sophia por Kali, o Pequeno Vampiro (2012). Foi já nomeada para os principais prémios do cinema de animação, os Annie, e é uma dos poucos portugueses membros da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, pertencendo ao corpo de votantes para o Óscar de Melhor Curta de Animação.