“O Museu Nacional de Arte Antiga, com a sua equipa, provou tudo e mais alguma coisa”

Ao fim de quase uma década, António Filipe Pimentel deixa a direcção da instituição e, por isso, é agora tempo de balanço, sem deixar de pensar no futuro. Voz incómoda para sucessivos ministros da Cultura — conheceu sete —, diz sair com o sentimento de dever cumprido, apesar das dificuldades. Na despedida, não poupa críticas à tutela nem elogios à sua equipa.

M preto
Fotogaleria
António Filipe Pimentel fotografado na primeira sala da exposição Museu das Descobertas Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Aspecto da montagem da exposição Rui Gaudêncio
Fotogaleria
A sala dedicada aos doadores, aos grandes e aos pequenos mecenas Rui Gaudêncio
Saint Auta
Fotogaleria
Pimentel junto a três das tábuas do Retábulo de Santa Auta Rui Gaudêncio
Afonso de Albuquerque
Fotogaleria
Retrato de Afonso de Albuquerque (à esquerda), na galeria dedicada ao trabalho de laboratório Rui Gaudêncio
Fotogaleria
A exposição ainda na fase de montagem Rui Gaudêncio
Fotogaleria
António Filipe Pimentel entre o subdirector do MNAA e conservador de pintura, José Alberto Seabra Carvalho (à esq.), e Anísio Franco, um dos dois conservadores de escultura do museu Rui Gaudêncio

Este é o último dia útil de António Filipe Pimentel como director do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), cargo que ocupou nos últimos nove anos e três meses. As contas — esta e outras — é ele que as faz, sentado à mesa de reuniões do seu gabinete no sótão do edifício que o museu ocupa na Rua das Janelas Verdes, onde chegou a convite de uma ministra da Cultura socialista, Gabriela Canavilhas, e de onde agora sai publicamente em desacordo com outra, Graça Fonseca.