Saybie nasceu com 245 gramas e pode ser o bebé mais pequeno do mundo a sobreviver

A bebé nasceu com 23 semanas e três dias num hospital em San Diego, nos Estados Unidos. Ganhou peso, teve finalmente alta este mês e encontra-se bem de saude.

Foto
DR

Chama-se Saybie e nasceu prematura em Dezembro de 2018 com apenas 245 gramas. Está livre de perigo e crê-se que é o bebé mais pequeno do mundo a sobreviver, revelou esta quarta-feira um hospital de San Diego, no estado norte-americano da Califórnia.

Saybie nasceu com 23 semanas e três dias no Hospital Sharp Mary Birch. Com 245 gramas, “pesava quase o mesmo que uma maçã grande ou um pacote de sumo para crianças”, descreve Trisha Khaleghi, directora executiva do hospital, citada pelo jornal The Epoch Times.

Após quase cinco meses na unidade neonatal daquele hospital, teve alta este mês. Pesa agora cerca de dois quilos e já está em casa com os pais, que preferem manter o anonimato.

Segundo o registo dos bebés mais pequenos do mundo que é mantido pela Universidade de Iowa, Saybie pode ser mesmo o bebé mais pequeno de sempre a sobreviver a um parto prematuro. Edward Bell, professor de pediatria daquela universidade, garante que Saybie apresentava o menor peso à nascença de que há registo, embora saliente, citado pela Associated Press (AP), que o documento contempla apenas as crianças admitidas nos hospitais e cujos dados foram confirmados pelos médicos.

“Não podemos excluir bebés ainda mais pequenos que não tenham sido registados”, explicou Edward Bell num email enviado à AP.

"Um milagre"

Num vídeo publicado esta quarta-feira pelo hospital, a mãe descreve o nascimento como “o dia mais assustador” da sua vida. Quando chegou ao hospital, foi diagnosticada com pré-eclampsia – uma complicação na gravidez que se caracteriza por uma elevada pressão arterial –, pelo que o parto teve de ser feito imediatamente.

Tendo em conta que a bebé tinha ainda apenas 23 semanas, não acreditava que a filha pudesse sobreviver. Os médicos avisaram o pai que teria provavelmente apenas uma hora com a bebé antes que esta morresse.

“Mas essa hora transformou-se em duas horas, que passou a um dia e depois a uma semana” e a criança sobreviveu, relata a mãe no vídeo.

“Fazemos tudo o que sabemos da melhor forma que conseguimos, e depois cabe aos bebés. Alguns têm o que é preciso para crescerem fora do útero”, explica no vídeo Spring Bridges, enfermeira do hospital. Já Kim Norby, outra enfermeira, disse: “Ela é um milagre”.