A frescura dos Verdes está a atrair para a região os grandes da produção nacional

Depois de Monção e Melgaço, a aposta na qualidade e na subida da cadeia de valor alarga-se a toda a região dos Vinhos Verdes. Multiplicam-se os investimentos e na paisagem retalhada começam a despontar áreas de vinha alargadas, numa espécie de revolução tranquila e reforma agrária silenciosa. E com grandes da produção nacional a lançarem um olhar de cobiça sobre a região.

Foto
DR

É uma espécie de revolução tranquila, aquela que tem vindo a mudar o panorama dos Vinhos Verdes. No país do minifúndio e da paisagem retalhada, a imagem de uma região vitícola composta por um aglomerado de pequenas explorações está claramente em mudança. Da média de um hectare de vinha por cada produtor, que era a imagem da região, a fotografia tem que ser agora bem mais alargada. Os vinhedos com dezenas de hectares multiplicam-se pela paisagem e já são várias as produções com mais de 100 hectares de vinha. E com grandes da produção nacional a lançarem um olhar de cobiça sobre a região.